terça-feira, 24 de maio de 2016

 Erom Cordeiro:
 “Consigo acessar minha loucura de forma muito mais rápida”
 Erom Cordeiro, que está prestes a completar 39 anos e vai viver um dos protagonistas de Supermax, série prevista para o segundo semestre, faz um balanço da vida, fala de sua vontade de conhecer o mundo 

Por Thyago Furtado 
A voz firme e o semblante sério entregam um homem reservado. 
No entanto, o ator Erom Cordeiro tem muita história para contar – e para viver, como ele pontua. 
Se antes, se definia racional e metódico, hoje o alagoano acredita ser mais maleável. 
“Ainda bem que as pessoas mudam. 
Acho que consigo acessar minha loucura de forma muito mais rápida, mas sei a hora de recolhê-la. Isso é saudável”. 
 Ele não é de dar detalhes sobre a vida pessoal, mas diz que a solteirice não é uma preocupação. 
“Não sou do tipo que tem que estar namorando. 
Se tiver que acontecer, vai acontecer”, conta. 
“Incansável”, quer tudo e talvez seja por isso que, entre um trabalho e outro, o galã tem se dedicado também à produção de peças teatrais.
 “Estou começando a tomar as rédeas disso. 
Colocar em cena o que quero falar tem me seduzido bastante”, revela. 
 E tem mais! Erom promete ser destaque nas telinhas ao viver um dos protagonistas de Supermax, série de suspense com estreia prevista para o segundo semestre, na Globo, que também inspirou o ensaio .
 “O público vai se surpreender. Foi uma bela experiência.”
 Você volta para a TV com um papel importante em Supermax. Você pode nos contar um pouco sobre a série? 
 É uma mistura de suspense e terror. Meu personagem é um ex-capitão de uma corporação e ele está no meio dessas 12 pessoas que querem ganhar R$ 2 milhões. Ele tem um passado... Todos têm algo que aconteceu no passado que se arrasta com eles até hoje. Eles não estão ali só para conseguir o prêmio, mas sim como uma espécie de segunda chance. 

 A TV tem ousado cada vez mais nas produções. Para você, como ator, como é participar de um projeto tão diferente do que costumamos ver na TV aberta?
Quando li a sinopse e os perfis dos personagens fiquei muito feliz porque é um tipo de dramaturgia que realmente a TV aberta não está acostumada. Tem um radicalismo maior. Os personagens são muito bem escritos e com uma gama de complexidade que para mim foi bastante bem-vinda. Os personagens não são de fácil digestão, mas a história é muito bem contada. Eles são bem profundos. 
 Você acha que vai fazer sucesso? 
Essa era de ouro das séries está chegando aqui também. São produtos menores, com ideias concisas e vejo isso com muito bons olhos. 

 É um novo caminho para a TV?
 Não sei se é o caminho. Acredito que o folhetim ainda vai durar muito tempo. É um fenômeno latino-americano. As novelas têm um padrão de excelência inquestionável, mas acredito que as séries vão ganhar cada vez mais espaço e o público vai se acostumar. 

 E você, tem alguma série que gosta de acompanhar? 
 Teve um período que acompanhava mais. As duas últimas que vi foram House Of Cards e Making a Murderer, uma série documental. Agora estou vendo Vinyl, que é uma produção de Martin Scorsese, que é muito interessante e bem feita. 

 Como você foi o processo de preparação para o seu personagem? 
Tivemos uma preparação de três semanas muito intensa. De 8 a 9 horas por dia para formarmos esse coletivo. São 12 participantes, cada um com um perfil completamente diferente do outro, apesar dos pontos em comum. Nos reunimos com o diretor Eduardo Barbosa, o que foi essencial para nós. Foi um período muito bom. 
 Quanto tempo durou as gravações? 
Começamos em julho e terminamos em dezembro. Foram cinco meses para gravarmos 12 episódios. Então foi muito bom porque em novela gravamos 30 cenas no dia, fora as externas. Para a série foram de três a quatro cenas por dia. 

 O que você acha de reality show? 
 Já acompanhei alguns. Acho bastante contemporâneo. Essa coisa do voyeurismo das pessoas, que quase se sentem íntimas de quem está ali confinado. É engraçado. 

 Você participaria? 
 Não. Mas não tenho o menor preconceito com esses formatos. Acho bem interessante porque tem uma dramaturgia própria, mesmo que seja a do real. É interessante ver como as figuras se comportam dentro de um confinamento. Mas não participaria. 
Quando mais jovem, você disse que se considerava uma pessoa metódica e racional demais. Você ainda é assim? 
Ainda bem que as pessoas mudam (risos). Hoje em dia deixei isso um pouco de lado, principalmente nos meus últimos trabalhos. Acho que consigo acessar a minha loucura de forma muito mais rápida e isso é saudável, mas também sabendo a hora de recolher essa loucura. Hoje em dia consigo acessar um registro mais catártico do que antes e isso é sempre positivo. Não sou do tipo que precisa sempre estar namorando"

E como foi o processo de amadurecimento?
 O trabalho do ator tem muito da observação do mundo e de si mesmo. Então, claro que tem vários pontos que vou decidindo trabalhar, mas para amadurecer é preciso mesmo ter força de vontade. Essa característica de ser racional ainda tenho, mas consigo não ser tão a ferro e fogo. É um processo normal, precisamos melhorar no dia a dia. Não vai parar nunca. Quanto mais vamos envelhecendo, mais bagagem vamos levando, mais vida... 
 O que você mais gosta sobre você? 
Acho que antes eu tinha uma tensão muito maior. Mesmo na seriedade, no compromisso com o trabalho, com a minha vida, mas hoje em dia consigo levar com uma leveza maior. Nunca vejo situações como um beco sem saída. Sempre acho que tem uma tangente que faz a gente sair desse lugar de tensão. Vivo de uma forma muito mais tranquila. 

 Existe alguma válvula de escape para sair da rotina intensa? 
 Sou um cara bastante urbano, mas sempre estou fugindo para o meio do mato. Isso me oxigena a cabeça, me faz bem. Para mim é necessário. Tenho de sair dessa loucura e ir para o mato, para o mar, cachoeira e faz parte da minha sanidade. 

 O que você costuma fazer nessas escapadas? Medita? 
 Não tenho o hábito de meditar. Gosto muito de fazer trilha, caminhar e descobrir. Tem muita coisa para acontecer. Gosto do contato com a natureza, mas caminhando em algum lugar já te conecta. É uma meditação ativa. Não parado em algum lugar. É trocando energia e conexão com o lugar que se está. 
 Você disse que adora conhecer lugares diferentes, você viaja muito? 
Viajei muito menos do que queria, mas já viajei bastante. Tenho vontade de tirar um período sabático da vida e meter o pé no mundo. Tenho vontade mesmo. Acho que assim que o trabalho e a vida permitir, vou me embrenhar nos confins do mundo. Quero registrar isso de alguma forma, não sei se em audiovisual, foto ou texto. 

 Que tipo de lugares? 
Tenho uma certa atração por lugares não muito explorados. Lugares mais ermos. Fiz uma viagem recentemente para Galápagos, no Equador. Realmente é um lugar muito especial. Você vê a Terra como ela pode ter sido tempos atrás... 

 Você cita o trabalho como exemplo em diversos assuntos. Como é a sua relação com ele? 
O meu ator está sempre presente. Acho que tem uma desconexão, às vezes. Mesmo quando estou fora, estou sempre observando o mundo. 

 Como ator, você passou por TV, teatro e cinema. Existe uma preferência? 
 Já houve. Hoje em dia não. Para mim a maior referência quando o assunto é atuação é o teatro. Ainda porque foi onde comecei. É onde consigo me resolver com o personagem de uma forma mais imediata. TV eu fiz menos, mas tenho um prazer gigantesco. Supermax foi uma das experiências mais prazerosas. Estou muito curioso e feliz. O público vai se surpreender. 

Quando o assunto é vida pessoal, você é mais reservado. Está solteiro? 
 Sim. Solteiro. 
 E está aberto a novos relacionamentos? 
 Não tenho muito controle disso. Deixo a maré me levar. Não sou do tipo que precisa sempre estar namorando. Se tiver que acontecer, acontece. Enquanto isso, me divirto. 

 Você acha que falta algo na sua carreira? 
 Estou começando a produzir minhas peças. Tomar as rédeas nesse sentido e colocar em cena o que quero falar tem me seduzido bastante. Claro que tem muitas coisas que não tenho controle, mas tem projetos que geralmente tenho tesão de fazer, como o filme “Longe Demais”, que rodei no deserto da Bolívia, no final do ano passado. Projetos não muito comerciais. Nessa altura da minha carreira, estou conseguindo conciliar tudo. Tenho sorte de pegar trabalhos bons. Estou bem feliz e querendo mais. Tenho essa coisa do taurino. Meio incansável. Trabalho é comigo mesmo.

 FONTE/QUEM
Camila Pitanga conta como usou a internet para reagir a críticas e diz que desistiu de bancar a durona 
 Atriz se acha “quase ridícula” nas redes sociais.
Há uma discreta diferença entre a Camila Pitanga como Maria Tereza, a protagonista de “Velho Chico”, e a que esteve no ar no mesmo horário, entre março e agosto do ano passado, na malsucedida “Babilônia”, ambas da TV Globo.
 A atriz conta que mudou de atitude após ter sido “execrada” na internet por conta do jeito durão de Regina, mocinha da novela anterior. 
A personagem era vista como chata pelos telespectadores, mas o alvo passou a ser Camila. 
Na tentativa de reverter a situação, ela foi orientada a ser atuante no Twitter. 
Tirou sarro de si mesma, divertiu-se com os memes e virou um hit. 
 “Sou reservada, mas desencanei dessa minha pessoa pública ponderada demais.
 O Twitter me ensinou isso. Botei ali um lado meu que ri de si mesma.
 Às vezes acho que sou quase ridícula no Twitter, mas tudo bem”, pondera. 
 A “desencanada”, ela jura, vai além da imagem virtual. 
Lançada como atriz aos 16 anos na minissérie “Sex appeal” (1993), Camila já se sentiu “muito fora do timing” por não ter a experiência necessária para interpretar alguns personagens quando começou. 
Para seguir na profissão, diz que vestiu uma capa de mulher durona. 
 “Fui cobrada. Eu não tinha formação alguma, nem uma mínima estrada, e era tida como profissional. 
Era complicado. Por muito tempo me coloquei em um lugar de grande exigência comigo mesma, como se tivesse que dar conta de tudo. 
Mas estou aprendendo que a fragilidade faz parte, estou me permitindo mais”, conta ela. 
 A atriz soma 23 anos de profissão. Formada em teoria do teatro, firmou-se na carreira com trabalhos na televisão, no teatro e no cinema. 
Ao falar de como leva a vida agora, Camila cita uma entrevista do ator argentino Ricardo Darín que a inspirou. 
Na conversa, ele dizia sempre desconfiar de si mesmo e falava sobre a importância de assumir erros.
 “É importante não termos verdades absolutas. 
Você fica mais livre, deixa de ser refém da culpa e do medo”, diz. 
 Processo contra a revista Playboy. 
No momento, a atriz produz um documentário sobre seu pai, o ator Antonio Pitanga, em que divide a direção com Beto Brant. 
Ofilme fica pronto no fim do ano. 
Além de filme, o projeto vai render uma série de “pílulas” para serem exibidas no Canal Brasil. 
 A parceria de Camila com Brant vem desde que ele a dirigiu no longa “Eu Receberia as Piores Notícias de Seus Lindos Lábios” (2011). 
Na história, a personagem da atriz se envolve em um turbulento triângulo amoroso e protagoniza cenas de sexo e nudez. 
As imagens acabaram sendo reproduzidas na revista Playboy, em dezembro de 2012, e o caso foi parar na Justiça. 
"O processo está em curso. Foi uma leviandade, um assalto, um desrespeito total, uma vez que me convidaram milhões de vezes para participar da revista e sempre recusei. 
Uma maneira cretina, desrespeitosa e machista de a revista fazer o que queria. 
Fotografaram frames do filme. Teve chamada de capa, foi feio. 
Não é à toa que eles estão perdendo o processo. 
É uma nudez dentro de um contexto, de uma linguagem, de um personagem.” 
Comentários maliciosos. Camila vinha se preparando há meses para entrar na segunda fase de “Velho Chico”, no começo de abril. 
Na história, Tereza viveu um amor à la Romeu e Julieta no passado. 
Mas aceitou um casamento arranjado pelo pai após acreditar que havia sido trocada. 
De volta à fazenda onde foi criada, após quase 30 anos, a protagonista ensaia agora uma reaproximação com o homem que sempre amou, Santo (Domingos Montagner), que não sabe que é pai do filho dela. 
 As cenas da personagem com o filho, já adulto, têm rendido comentários maliciosos na web. 
Tereza já circulou seminua ao lado do jovem e dormiu “de conchinha” com ele. 
Mas Camila se apressa em dizer que não há aí qualquer insinuação incestuosa. 
“Ela teve filho quando era jovem, há uma informalidade, uma espontaneidade de corpo, de toque”, justifica.

FONTE/OSUL
Aos 83 anos, Stênio Garcia revela que já usou Viagra, mas que passou muito mal
 "Experimentei o tal Viagra, e o coração veio na boca", diz o ator. 
Aos 83 anos, o ator Stênio Garcia admite que já recorreu ao uso do Viagra. 
Ele, que é casado há 18 anos com a também atriz Marilene Saad, de 48, porém, revela que sua experiência com a pílula contra a impotência sexual não foi das melhores. 
Por isso, Stênio afirma que não pensa em repetir a experiência. 
 “Nunca mais uso remédio para impotência sexual, porque me faz muito mal.
 Experimentei o tal do Viagra, e o coração veio na boca”, contou ele à revista “Contigo!” desta semana.
 À publicação, Stênio também falou da diferença de idade entre ele e a mulher, e revelou que o seu relacionamento é uma fonte de juventude.
 “Nossos 36 anos de diferença na idade são uma troca. 
Nós nos completamos em todos os aspectos.
 Inclusive, sexualmente. Entre quatro paredes, não temos vergonha, afinal, somos marido e mulher”, diz.

FONTE/OSUL
 Longe da TV, Alessandra Scatena muda visual e fala de relacionamento de 24 anos 
Por Rafaela Santos
Longe da TV há cinco anos, desde que apresentava um programa local na TV Poços, de Minas Gerais, Alessandra Scatena agora se dedica aos filhos e à carreira de mestre de cerimônias.
 Ajudante de palco de Gugu Liberato no "Domingo legal" por 12 anos (até 2001), ela também se envolve em causas sociais. 
E foi por isso que ela mudou o visual radicalmente. 
 - Me empenho muito no terceiro setor, trabalhando em ONGs de animais e na Rede Feminina de Combate ao Câncer.
 Num desses encontros, uma pessoa me falou sobre doações de cabelo para o Pará, onde há uma ONG voltada às vítimas de escalpelamento. 
Aquilo me tocou muito. Só tive o cabelo curtinho assim quando era criança.
 Alessandra conta que decidiu dar um tempo na carreira artística depois do nascimento do segundo filho, Estéfano, hoje com 5 anos. 
Ela também é mãe de Enrico, de 12.
 - Sempre gostei do que fiz, mas foi uma opção minha parar. 
Tenho dedicação total aos meus filhos. 
Não é fácil ser dona de casa. Brinco que sou chefe de cozinha e "mãetorista". 
Se tem um convite legal de uma participação em programa, eu vou para matar a saudade e me divertir um pouco - conta. 
Musa dos anos 1990, quando participava da prova da banheira e posou para a "Playboy", Alessandra rejeita o título de símbolo sexual: 
 - Nunca me considerei assim, nem mesmo naquela época. 
Era algo que nunca almejei. Sempre fiz os meus trabalhos com seriedade, buscando a perfeição. 
 Casada com o empresário Rogério Gherbali, Alessandra falou da relação de 24 anos:
 - Nesse tempo, nunca nos separamos ou brigamos.
 Acho que para ficar tanto tempo junto, tem que ter companheirismo, fidelidade, respeito e confiança.

FONTE/OGLOBO

segunda-feira, 23 de maio de 2016

 Hanna Romanazzi sobre cenas de nudez:
 "Estou preparada" 
 Aos 20 anos, Hanna Romanazzi dá adeus a personagens adolescentes e diz estar preparada para cenas de sexo em 'Liberdade, liberdade' 

Por Raquel Pinheiro 
 Apesar de morar a menos de 20 minutos do Parque da Cidade – um dos pontos mais conhecidos de Niterói, na Região Metropolitana do Rio, cidade onde nasceu e cresceu –, Hanna Romanazzi não visitava o local desde que era criança.
 “Eu não lembrava o quanto a vista daqui é linda”, diz ela, da rampa onde asas-deltas e parapentes saltam em direção à paisagem espetacular da cidade do Rio de Janeiro, do outro lado da Baía de Guanabara. 
Na área verde de 150 mil metros quadrados, a atriz, que vive a prostituta Gironda em Liberdade, Liberdade, passeia com Nicki, seu cão da raça lhasa apso, de 8 anos. 
 Hanna conta que se diverte com sua personagem, a “mais sem escrúpulos” das meninas que trabalham no bordel de Virgínia (Lilia Cabral).
 “Se tiver que passar por cima da Virgínia, ela passa. 
Brincamos que a Gironda é a mais naja do bordel”, ri a atriz, que se diz pronta para momentos mais picantes da personagem. 
“Ela é uma prostituta e estou preparada. 
Sei que estão tendo todo o cuidado com a forma como essas cenas são feitas”, diz ela, que nunca fez cenas de nudez. 
Como as outras atrizes da novela, Hanna deu adeus à depilação nas axilas e pernas para dar veracidade à aparência de sua personagem, na história do século 19. 
Nos cabelos, que estavam com luzes e foram tingidos em sua cor original, é feito babyliss. 
A pele é suja. “São quase duas horas de caracterização”, explica ela, que está trabalhando com um de seus ídolos, Mateus Solano, o Rubião. 
Trajetória Hanna foi um “bebê muito bonitinho” e, criança, começou a fazer trabalhos publicitários.
Aos 10 anos pediu aos pais que a matriculassem em curso ministrado pela atriz Andréa Avancini e, aos 12, ganhou seu primeiro papel na TV, em A Favorita (2008). 
Ela fez ainda Malhação (2013) e Babilônia (2015), na qual contracenou com Fernanda Montenegro.
 Tudo devidamente registrado pelos pais da atriz, os comerciantes Jaqueline, de 48, e José Romanazzi, de 50, assumidamente corujas e que guardam tudo o que é publicado sobre a filha. 
“Minha mãe procura o que sai sobre mim na internet e imprime. 
Tanto ela quanto meu pai me apoiam em tudo o que faço”, diz ela, que tem uma irmã, a estudante Giovanna, de 17.
 É a caçula que Nicki obedece, apesar de não ter desgrudado da atriz no Parque da Cidade. 
“Dizem que cachorro escolhe uma pessoa da casa para ser seu dono, né? 
Nicki escolheu Giovanna e meu pai, mas é o meu neném também”, explica a jovem enquanto cobre o cãozinho de carinho. 
Ela costuma levar Nicki para passear pela cidade e conta que não pensa em sair da casa dos pais tão cedo. 
“Gosto daqui porque é mais calmo e o clima é mais leve e menos corrido que no Rio.
 Prefiro pegar uma hora e meia de trânsito para ir trabalhar”, afirma.
 Montanha-russa 
Entre os pontos da cidade que ela recomenda, estão a Praia de Itacoatiara (“a mais bonita de Niterói”) e os restaurantes da orla do bairro de São Francisco.
 “Ali é lindo, e eu e minhas amigas estamos na fase de barzinho, de sair para conversar”, conta a atriz, que está sozinha, mas lista as qualidades de possíveis candidatos.
 “Namorado tem de saber conversar e ter bom humor, porque ser engraçado ajuda. 
Também precisa entender minha agenda.” 
 A jovem conta que curte moda e maquiagem. “
Aprendi a me maquiar com os vídeos do canal da Camila Coelho na internet. 
Passava o dia vendo tutoriais dela, que são práticos”, elogia Hanna, que aproveita as viagens ao exterior para repor o estoque de make e comprar “coisinhas de menina”. 
Também se joga nos parques de diversão.
 “Sou louca por montanha-russa! Vou sozinha, feito uma louca, no carrinho da frente”, confessa, rindo. 
 Apesar da dedicação ao trabalho, Hanna não abre mão do estudo e cursa Direito no Ibmec. 
“Estou no quarto período, mas precisei trancar este semestre por causa das gravações. 
Sempre quis ter uma formação, era uma exigência minha”, conta Hanna, que, enquanto não volta ao curso, tem outra meta: a tão sonhada carteira de motorista. 
“Minha vida vai melhorar muito quando eu puder dirigir”, aposta.

FONTE/QUEM
Lucas Veloso conta que se tornou 'pai de família' após perder Shaolin
 Ator de 'Velho Chico' explica que precisou amadurecer muito cedo, mas se sente honrado por assumir as responsabilidades de casa 

 Por Fabio Rosso 
"Depois que a gente tem algumas perdas, seja de pessoas, de tempo ou de outras coisas, você aprende a valorizar mais o amor, porque percebe que o tempo passa por você e você nem vê".
 É desta forma que Lucas Veloso começou a olhar a vida depois da perda de seu pai, o humorista Shaolin, que faleceu em janeiro deste ano, após uma parada cardiorrespiratória.
 De uma hora para outra, o jovem ator de 19 anos precisou assumir as responsabilidades do pai, no mesmo ano em que estreou em seu primeiro papel em novelas, com o divertido Lucas de Velho Chico. 
"Eu tive uma adolescência 'cortada'. 
Quando eu fiz 14 anos, meu pai se acidentou e a minha vida mudou. 
Minha adolescência passou para a fase adulta muito rápido. 
Depois meu pai faleceu e eu acabei meio que assumindo o lugar dele de pai de família. 
Então hoje eu sou 'pai' de uma galera lá em casa: da minha mãe, da minha irmã, dos meus primos, tios..
Mas estou curtindo esse momento como realmente um paizão", conta. 
O posto que ele passou a ocupar ainda serve de aprendizado, mas o ator avalia a relação de confiança depositada: 
"Eu vejo as pessoas chegarem para me pedir conselhos, e eu não tenho nem 20 anos. 
Apesar de ainda estar entendendo qual a responsabilidade que o meu pai deixou tão cedo para mim, estou sendo considerado uma espécie de oráculo na família quando chegam para mim e perguntam o que eu acho sobre as coisas", ressalta. 
Por mais que guarde uma grande saudade no coração, o artista se mantém forte para encarar seus desafios.
 "Na minha cabeça, se o univer
so e se Deus permitiu que tudo isso acontecesse, é porque eu preciso e mereço ter essa missão. 
Então, ser 'pai de família', como eu brinquei agora, é uma honra, porque não é todo mundo com quase 20 anos de idade que tem uma responsabilidade dessas", destaca e pondera: 
"Geralmente, na minha idade, o moleque está preocupado em estudar, namorar e procurar um emprego, se for muito.
 Então, por tudo que eu estou passando, eu digo que eu tenho feito uma faculdade por dia. Mas tem sido bom e eu ainda tenho muita coisa para aprender". 
Um amor maior chamado de mãe! Eu sou muito apegado à minha mãe. É difícil você ficar longe. 
Sofro muito com saudade, mas ligo para ela todos os dias." 
 Para segurar essa onda toda, Lucas também tem ao seu lado uma grande companheira: sua mãe Laudiceia. 
Morando no Rio de Janeiro, o ator morre de saudade da mamãe que mora em Campina Grande, na Paraíba, sua cidade natal. 
"Eu sou muito apegado à minha mãe, então quando você cresce apegado, é difícil ficar longe.
 Sofro muito com saudade, mas eu ligo para ela todos os dias. 
Quando chego lá, a minha preocupação é 'gastá-la'.
 Então eu peço para ela fazer comida, eu a convido para ver filme, em todo lugar que ela está, quero estar, para usufruir ao máximo o que eu puder", conta com brilho nos olhos só de pensar. 
Apesar da distância, o ator tem planos de trazer a mãe para uma temporada no Rio de Janeiro. 
"Vou ter o prazer de acordar e tomar aquele cafezinho, do jeito que eu gosto e cresci tomando, que só a mãe sabe fazer". 
 Mas como será que o humorista está se virando longe da família? Lucas confessa que se vira, porém, admite: 
"Acho que todo mundo que é acostumado com a mãe perto e, quando sai de casa, faz tudo, só que faz meio mal.
 Você vê o valor que tem uma mãe. Aí você vê como é complicado se virar sem ela, né? 
É o amadurecimento através da ausência das pessoas".

FONTE/GSHOW
Marina Ruy Barbosa fala de planos para depois de 'Totalmente demais' e diz que parou de malhar durante novela: 
'Me permito comer bobagens'
Por Anna Luiza Santiago 
 A uma semana do fim de "Totalmente demais", Marina Ruy Barbosa já começa a se despedir de Eliza, sua personagem na trama de Rosane Svartman e Paulo Halm: 
 - Esse trabalho foi muito especial.
 Tive o prazer de trabalhar com Rosane e Paulo; de reencontrar Luiz Henrique Rios, que me dirigiu na minha primeira novela ('Começar de novo', entre 2004 e 2005); e de estar com Juliana Paes, Fábio Assunção, Felipe Simas, Leona Cavalli, Paulo Rocha, Giovanna Rispoli, Humberto Martins, Guida Viana, Gloria Menezes, Reginaldo Faria... 
Vou levar Eliza para sempre comigo.
 Menina do interior que acabou virando modelo de sucesso na história das 19h, Marina diz que, no caminho inverso de sua personagem, acabou descuidando da alimentação por causa das gravações:
 - Durante a novela, acabei relaxando. 
Comia muita besteira, pois acabei ficando sem muita rotina. 
Agora dei uma segurada, mas me permito comer umas bobagens às vezes.  A atriz conta que se preocupa em manter uma rotina de exercícios: 
 - É importante não só para o físico, mas para a mente também.
 Dá muita energia para o dia inteiro. 
Tento encaixar entre meus horários de gravação. 
Com a novela, fiquei bem parada. 
Estou voltando agora, nesta reta final. 
 A boa forma de Marina, aliás, foi vista pelo público nas cenas em que Eliza usou lingerie e biquíni. 
A atriz garante não ter qualquer problema com esse tipo de sequência: 
 - Faz parte do meu trabalho. Meu corpo é meu instrumento de trabalho e, se for necessário para a cena, encaro e faço. 
Rosane e Paulo são muito coerentes, então, nada foi gratuito.
 Assim que terminarem os trabalhos em "Totalmente demais", Marina já embarca numa nova personagem. 
Ela viverá uma patricinha na série de Manuela Dias "Justiça", que terá direção de José Luiz Villamarim.
 - Eu amo meu trabalho. Sou workaholic. 
Sempre procuro fazer personagens diferentes, para explorar outras formas de interpretação e passar uma sensação nova para o público. 
Agora, farei 'Justiça' e depois vou viajar de férias e estudar.

FONTE/OGLOBO
 Marcela Fetter, de 'Malhação': 
"Já fui atacada por uma jararaca"
 No ar como a Flávia de Malhação, Marcela Fetter comemora seu primeiro papel na TV. 
Aos 20 anos e solteira, ela revela 7 coisas que você provavelmente não sabia sobre ela! 
No ar como a Flávia de Malhação, Marcela Fetter comemora seu primeiro papel na TV. 
Aos 20 anos e solteira, a gaúcha de Rio Grande conta que trabalhou como modelo para estudar teatro, diz que é apaixonada por bichos, confessa que já foi louca por dietas e lembra que foi atacada por uma cobra.
 1. Sempre conviveu com bichos
 "Meus pais são veterinários. Aprendi a andar com uma rottweiler. Minha mãe conta que nunca me deu a mão para me ajudar a andar: eu agarrava no pescoço da cachorra. Caía, ela me esperava (risos). Sempre tive bicho. Hoje estou com duas gatas: a Chiclete e a Sophia.” 

2. Começou a fazer teatro aos 10 anos
"Quando entrei para a companhia de teatro Sobrinhos de Shakespeare, em Rio Grande (RS), aos 10 anos, já sabia que queria ser atriz. Sempre sonhei em seguir a carreira. É a mesma companhia do Guilherme Leicam (Tito, de Malhação). Somos da mesma cidade e do mesmo teatro. E agora estamos fazendo a novela juntos.” 

 3. Sonhava em morar no Rio
 “Desde os 12 anos era modelo. Quando me formei na escola, aos 17, fui para São Paulo fazer artes cênicas no Centro de Artes e Educação Célia Helena. Para me manter, trabalhava como modelo. Quando surgiu o papel em Malhação me mudei para o Rio, onde sempre quis morar. Amo praia e sentia falta em São Paulo.”

 4. Toma água morna com limão e suco verde 
“Há um ano, assim que acordo, tomo água morna com meio limão. Serve para alcalinizar o sangue e desintoxicar. Meia hora depois, tomo suco verde, que eu mesma preparo com couve, banana, tâmara, ameixa, semente de girassol, chia, linhaça e óleo de coco.” 
 5. Tornou-se vegetariana em respeito aos animais 
"Nunca fui viciada em carne, mas comia por hábito. Depois, comecei a pesquisar e a assistir a documentários sobre o tema. Não gostei do que vi e aprendi sobre o assunto. Resolvi parar por causa deles. Hoje em dia como ovo, manteiga e tento evitar glúten e lactose, porque não me fazem bem. Nas refeições nunca falta arroz nem feijão. Tiro proteína do feijão.” 

 6. Foi atacada por uma jararaca
 “Minha mãe mora em um sítio em Rio Grande. Ela tem um hotel para cachorros. No natal de 2014, estava lá e fui comprar pão. Quando desci do carro, pisei numa jararaca. Ela me mordeu. Foi a pior dor da minha vida. Fiquei uma semana no hospital. Quase precisei amputar a perna. A médica, que é amiga da família, chegou a falar para a minha mãe que eu não sobreviveria.” 

 7. Emagreceu ao adotar uma rotina saudável
 “Sempre fui magra. Quando me mudei para São Paulo, meu corpo mudou e engordei 12 quilos. Comecei a namorar, comia muito doce... Tudo isso interferiu. Ganhei peso ao longo de seis meses. Quando reparei que realmente tinha engordado, tentei de tudo para emagrecer. Fiz várias dietas loucas: dieta do líquido, dieta da proteína. Mas nada adiantou. Pelo contrário. Depois, passei a comer de três em três horas e a fazer atividade física. Deu certo: emagreci 12 quilos em um mês.”
FONTE/QUEM

domingo, 22 de maio de 2016

Sandy: 
Dizer ‘não’ é uma tarefa difícil 
Por Leo Dias
 Sandy é a entrevistada de hoje da coluna. 
Na entrevista a seguir, ela fala sobre como é estar no júri do ‘SuperStar’ pela segunda vez, admite que não gosta de expor o filho, Theo, e revela seus gostos musicais. 
Sobre o dominical, a cantora conta que não é fácil eliminar uma banda.
 “É uma tarefa difícil porque você está falando de um sonho”, observa Sandy.
 Sandy Você teve um show esgotado sábado no ‘Vivo Rio’ e abriu uma data extra na sexta-feira. Quem é hoje o seu público? 
Tenho muitos fãs que me acompanham desde a época da dupla com o meu irmão, que cresceram junto comigo. A maioria deles tem entre 25 e 35 anos mas, desde que iniciei a carreira solo, percebo o público se renovando, gente nova se identificando com meu som.

 Que tipo de música você ouve em casa?
 Sou bastante aberta a todos os estilos musicais e gosto de ficar atenta às novidades. Ouvir novos sons sempre me enriquece profissionalmente. Adoro John Mayer, Nerina Pallot, KT Tunstall, Coldplay, Damien Rice, Ella Fitzgerald e muitos outros…

 Essa é a sua segunda temporada no ‘SuperStar’. Qual é a parte mais difícil de ser jurada no programa?
 Esta é a terceira temporada do programa e a minha segunda como jurada. Dizer ‘não’ é uma tarefa difícil porque, de certa forma, você está falando de um sonho, de uma batalha, de tudo o que aquela pessoa que está ali, na sua frente, fez para alcançar seu espaço. Um desafio complicado, porém emocionante.

 Já se arrependeu de alguma coisa que tenha feito ou falado no programa? 
Sempre fui muito sincera e sempre busquei minha verdade para pontuar as minhas opiniões. Talvez não seja ‘arrependimento’ a palavra mais correta. Mas, na edição passada, por às vezes deixar o coração falar mais alto, acabei aprovando bandas que, ao meu ver, tomaram lugar de outras mais qualificadas e que acabaram saindo da competição. 
 Sandy posa com Paulo Ricardo e Daniela Mercury

 Você chamou o Paulo Ricardo de ‘blasé’ quando ele não concordou com um comentário seu. Como é o clima nos bastidores? 
Foi uma grande brincadeira. E não foi porque ele não concordou com algo que eu disse, mas porque ele disse, sem nenhuma empolgação, que tinha gostado muito de uma certa apresentação. As pessoas parecem que estão se esforçando para arranjar alguma polêmica… Eu e Paulo, que estamos juntos desde a temporada passada, criamos um vínculo legal, que se tornou uma amizade fora do programa; nos falamos sempre. Somos todos uma grande equipe e todos riram muito da situação. 

 Como você lida com as críticas?
 Com mais de 25 anos de carreira, você aprende a lidar com as críticas. Fazem parte da profissão. As construtivas eu absorvo e procuro melhorar. Já com aquelas que são ‘maldosas’ e sem fundamento, procuro não me abalar.

 Por que você nunca posou nua?
 (Risos) Estou feliz em ser reconhecida pelo meu trabalho musical, artístico. Seja como cantora, compositora, atriz e agora jurada do ‘SuperStar’! Tá ótimo assim. Não preciso de mais nada.

 Você deu uma entrevista polêmica para a ‘Playboy’ em que falava até sobre sexo anal. Se arrependeu? 
Nem um pouco! Ao meu ver, a tal ‘frase’ virou ‘polêmica’ só porque foi tirada completamente do contexto.

 Por que você tem tanto cuidado em não expor Theo? Tem medo da violência? 
Acho que as pessoas já entenderam e respeitaram essa questão. É apenas uma escolha e decisão minha e do Lucas, já que nós somos os ‘famosos’, e não ele. 

 Você tem o ‘SuperStar’ e agora retomou a rotina de shows. Theo vai junto? 
Sempre que temos estrutura para que ele mantenha a rotina dele, horário de dormir e comer, levo-o comigo, sim. 

 Ele é mais parecido fisicamente com você ou com o Lucas? 
Acho que tem um pouco de nós dois… Algumas pessoas dizem que é mais comigo. Outras, que é mais com ele. Eu sou suspeita (risos)! 

  Qual é o bônus da fama? 
Poder viver do que eu mais amo fazer e ter o meu trabalho reconhecido pelo público e pelos fãs é uma recompensa incrível. Sou extremamente grata a isso.  

E o ônus da fama?
 Por vezes, notícias falsas… Sorte a minha que diminuíram muito, mas, de vez em quando, ainda aparecem e, consequentemente, a falta de privacidade. 

 Você é vaidosa?
 Acho que toda mulher tem seu lado vaidosa com a aparência. Umas mais, outras menos. Acho que sou ‘na medida’. 

 Como você se vê daqui a dez anos? 
É difícil projetar, mas quero continuar nos palcos, fazendo a minha música e tentando tocar as pessoas com o meu trabalho.

FONTE/ODIA

sábado, 21 de maio de 2016

 Tuta Guedes comemora sucesso de música em 'Êta Mundo Bom" 
 Tuta Guedes não imaginava, mas sua música Eu Descobri, que faz parte da trilha sonora de Êta Mundo Bom, entrou na lista de uma das músicas mais executadas no Brasil. 
E ela só tem a comemorar. Além do sucesso da faixa, a cantora celebra uma ascensão das mulheres no gênero sertanejo. 
 Tuta Guedes lança clipe para música de 'Eta Mundo Bom' "Sempre sonhei com isso de conquistar um mercado que antigamente era muito masculino. 
Hoje podemos ver muitas mulheres talentosas. Fico honrada de estar entre elas", disse em entrevista a QUEM.
 Aproveitando o destaque, ela está com um novo disco quase pronto e contou as novidades no bate-papo abaixo: 
 A sua música na novela é uma das mais executadas. Como é isso para você? 
Acredito que seja uma grande oportunidade pra qualquer artista ter uma música reconhecida dessa forma, podem assim abrir muitas portas para futuros projetos. É uma emoção muito grande ver que um trabalho feito com tanto carinho se tornou algo tão grande, sempre sonhei em ouvir a minha música em alguma novela e hoje estou realizando esse grande sonho. 

 Você imaginou que faria tanto sucesso? 
 A gente sempre pensa que vai voar muito alto, mas quando acontece demora a cair a ficha. Faço o meu trabalho com muito carinho e dedicação, acho que é por isso que da tudo tão certo. Agradeço a Deus por todas as conquistas e espero que ele continue abençoando minha carreira. 

As mulheres estão ficando mais fortes no sertanejo. como você vê esse cenário? 
 Fico muito feliz, sempre sonhei com isso de conquistar um mercado que antigamente era muito masculino. Hoje podemos ver muitas mulheres talentosas, fico honrada de estar entre elas e poder mostrar o meu trabalho. 

Você tem trabalhado em um novo álbum, tem algo que você possa contar para nós? 
O novo CD já está saindo do forno, tem muitas músicas românticas e dançantes, foi feito com muito amor e carinho. 

Podemos esperar algum dueto? Se sim, com quem? 
 Estou com um projeto de novo DVD, com certeza virão muitas participações especiais. Gostaria de reunir algumas mulheres do sertanejo, vai ser bem especial. Aguardem muitas surpresas!
FONTE/QUEM
Guilherme Leicam investe na carreira de cantor sertanejo: 
"Lucco é minha inspiração" 
Galã de "Malhação" vai lançar trabalho solo no segundo semestre 

 Por Wallace Carvalho
No ar em "Malhação", Guilherme Leicam pretende focar em sua carreira como cantor assim que encerrar sua participação na novelinha da TV Globo. 
O galã vai investir no sertanejo universitário e tem se inspirado em Lucas Lucco, seu companheiro de cena. "Estou montando meu show, já tenho minha banda montada. 
Troco muita ideia com o Lucas Lucco, ele é minha grande inspiração. 
Quando um cantor veio para o gênero ator, eu falei:
 'Que legal esse espaço que o pessoal da internet tem dado'.
 Antigamente se um ator cantasse, ele sofreria muito preconceito e vice-versa", disse ao Famosidades durante um dos intervalos das gravações da trama teen. 
Com cerca de 10 músicas compostas, o bonitão pretende fazer alguns covers nos shows e deve gravar, em breve, uma parceria com Lucco.
 "Rolou o convite pra gente fazer a versão romântica de 'Vai vendo' com voz e violão no meu canal.
 Estamos esperando um intervalo de gravações para fazermos", disse sobre o projeto autoral que mantém na web.
 Leicam não fez contato com nenhuma gravadora e pretende se lançar na música de forma independente. 
"Ninguém mais compra um CD para ouvir música. 
As plataformas digitais estão aí, a galera ouve tudo pela internet.
 Estou apostando nesse mercado", explicou. 
 Há seis anos na Globo, seu contrato com a emissora carioca chega ao fim em agosto e o artista não sabe se terá seu vínculo será renovado.
 O rapaz, contudo, ressalta que a carreira musical não é um plano B.
 Caso o canal tenha interesse em seu passe, o gato pretende sentar e negociar com a direção do Projac.
 "Se renovarem o contrato, já farei com outras condições.
 A de que quero tocar a carreira de música, de cantor especificamente. 
Na Globo você fica seis meses no ar e seis meses fora. 
Neste descanso de imagem, por quê não aproveitar esse tempo?
 Sou um cara que férias para mim é diversão, e música me diverte."

FONTE/FAMOSIDADES
Iris Stefanelli abre sua casa para o EGO:
 'Lugar dos meus sonhos' 
Apresentadora abriu apartamento decorado por ela em SP e mostrou imagem de Santo Antônio de cabeça para baixo. 
'Sou louca para me casar.' 

Por Bárbara Vieira 
 Iris Stefanelli, 36 anos, mora há quatro anos em um confortável apartamento de 140m² no Jardim Ibirapuera, Zona Sul de São Paulo, decorado por ela mesma e pela decoradora Cris Zunpan, de Uberlândia, terra natal de Iris. 
A apresentadora abriu a casa para o EGO e mostrou que a sua mineirice, no entanto, é mais presente no seu sotaque, no gosto por pechinchar (que ela trás da época de sacoleira) e na cozinha, onde ela assou pão de queijo para a equipe de reportagem.
 "Eu adoro receber! Tenho amigos do Brasil inteiro. Asso um pão de queijo e já faço um cafezinho", conta ela.
 O gosto por moda e a fé de Iris, que é católica, estão presentes em muitos detalhes da casa da ex-BBB7. "
Eu amo moda, assino revistas, monto meus looks e sempre peço dicas para amigos stylists", conta ela, que tem revistas e livros sobre o assunto espalhados pela sala de estar e em seu quarto. 
Mas o objeto preferiro de Iris é a imagem de Nossa Senhora Aparecida, que fica na cabeceira de sua cama, presente do cantor Daniel. 
 "Ele só dá essa santa para quem ele se sente tocado, que tem fé mesmo. Ele já deu para a Hebe, para a Xuxa e para mim! Fiquei muito emocionada", conta ela, que também uma imagem de Nossa Senhora de Abadia, para quem fez promessa para entrar no BBB. 
"Andei 100km na rodovia de Uberlândia para a romaria de Abadia. Depois andei mais duas vezes para conseguir emprego e depois para manter meu trabalho na Rede TV! 
Na última vez me sentei no asfalto para chorar ao meio-dia porque comecei a passar mal, estava muito quente. Minha mãe queria que eu parasse, mas eu não desisti. A gente não é obrigado a fazer promessa, mas é obrigado a cumprir", diz ela. 
Iris serve pão de queijo

 Sonho de se casar
 Os santos dividem espaço com o urso de pelúcia que Iris ganhou quando visitou Alice na maternidade, filha de Daniela Albuquerque e Amílcare Dalevo, presidente da Rede TV!
 "Tenho uma história parecida com a da Dani, que também foi sacoleira. Nos damos muito bem", diz ela sobre a mulher do patrão.
 Mas a peça mais curiosa que Iris tem certamente é a imagem de Santo Antônio, que ela colocou de cabeça para baixo e é presente da estilista Martha Medeiros. 
"Ela fez meu vestido e o noivado terminou duas vezes. Aí ela me deu o Santo Antônio para me dar sorte", explica ela.
"Quero casar com festão, ter um monte de filhos! É meu maior sonho. Vou congelar meus óvulos porque não arrumei marido ainda!", entrega. 
 Na cozinha, Iris tem mais santinhos usados como ímã de geladeira. "Sou muito católica. 
Pedi um bom marido para Nossa Senhora das Graças, mas até hoje não consegui! De vez em quando eu faço a oração", diz ela.

 Boa de pechincha 
Na sala, os objetos de decoração mais queridos de Iris são as peças de murano com pó de ouro que ela usa para decorar a sala de estar. 
"Sempre sonhei ter peças assim, mas não tinha dinheiro. Liguei para a mulher que vendia no Sul e negociei. 
Paguei cerca de R$ 2 mil cada peça, na loja era uns R$ 5 mil!", conta ela, que levou bronca da mãe quando fechou negócio. 
"Quando minha mãe soube que era comprado, quis me matar. Ela achou que era presente da minha fã Marli, que sempre me mandava presentes e faleceu recentemente", conta Iris. 
"Eu estava usando o crucifixo de ouro que a Marli me deu no dia que ela morreu, e caiu do meu pescoço. Ela me tinha como filha", emociona-se. 
"Eu recebi muito carinho quando saí do BBB, no hotel tinha um monte de mães querendo me adotar, pedindo para minha mãe para deixá-las cuidar de mim. 
Eu era muito meninona mesmo, não sabia nem dirigir!", relembra. 
Iris posa com o lustre: preço é segredo
 "Gosto de brincar de casinha" Iris decorou sua casa e a da mãe em Uberlândia. 
Aqui, ela optou por investir em tons de branco e preto principalemente, enquanto a casa da mãe é colorida. 
"Tudo o que compro para mim, comprava para minha mãe, gosto de brincar de casinha!", entrega ela, que tem entre as peças mais caras o lustre na sala de jantar. 
"Fiquei paquerando este lustre muito tempo, aí conheci o dono da fábrica e pedi um desconto 'pelo amor de Deus'. 
Comprei este, o da casa da minha mãe, e um para o hall", diz ela, que se nega a contar o valor. 
"Se eu contar o preço minha mãe me liga dando sermão!", diverte-se. 
A vista da casa de Iris

 Iris, no entanto, não se importa de gastar com a casa. 
"Eu quero viver bem, viver confortável.
Eu entro aqui e tenho alegria no meu coração, é o apartamento dos meus sonhos. 
Hospedo amigos do Brasil inteiro e adoro receber. 
Tirando a vizinha de baixo que reclama de eu puxar a cadeira para sentar na mesa de jantar, é tudo perfeito aqui", diz ela, com bom humor.



FONTE/EGO