segunda-feira, 17 de dezembro de 2012


A força e o equilibrio de Daniela Galli
Atriz da Record, Dani Galli fecha 2012 plena e energizada para o novo ano

Contratada da Record,a atriz aproveita período de folga entre projetos para praticar yoga e meditação no Hara Spa, em São Paulo
Dançarina, oboísta e arquiteta. Mas foi na arte de interpretar que Daniela Galli (38) encontrou como reunir seus diferentes gostos e dons. 
Com nove anos de carreira, ela festeja o trabalho na TV, teatro e cinema. 
“Minha formação contribui na criação das personagens”, diz a atriz, que atuou em Máscaras, novela da Record, da qual é contratada, e na qual viverá sua primeira protagonista, no telefilme A Tragédia da Rua das Flores, da obra de Eça de Queirós (1845-1900). 
Em 2013, Dani, que fez as novelas Poder Paralelo e Ribeirão do Tempo e a série A História de Ester, também na Record, subirá aos palcos cariocas com as peças Realismo e Ciranda. Atenta ao corpo e à mente, a atriz aproveitou folga para se energizar no Hara Spa, em SP.
 “Yoga e meditação contribuem para o meu bem-estar”, diz a bela, casada há sete anos com o cientista da computação Yuri de Wit (39).
 “Ele é de outra área, mas tem enorme sensibilidade; me acompanha e vivencia o meu trabalho e de artistas que admiramos”, sentencia Dani.
– Quando decidiu ser atriz?
– Desde a infância, em Campinas, onde nasci, estudei dança, música e artes plásticas. Na faculdade fiz Arquitetura e cheguei a trabalhar na área. Morei em Nova York e lá, assistindo a um espetáculo, vi que queria projetar cenários. Consegui trabalho e, por estar sempre nos bastidores, passei a me interessar pela atuação. Fiz curso de teatro, me identifiquei, e não parei mais. Após três anos atuando, fui chamada para fazer um filme no Brasil que não chegou a acontecer. Aí, fui convidada para fazer a novela global Páginas da Vida e tudo foi acontecendo.

– De lá pra cá você não parou.
– Estou sempre em busca de bons trabalhos. No dia 21 deste mês vai ao ar, na Record, o telefilme A Tragédia da Rua das Flores, no qual sou uma mãe que vive um amor com um jovem sem saber que ele é seu filho. É um trabalho que me enche de orgulho. Em fevereiro, estreio no Rio a peça Realismo. Em maio, também no Rio, apresento Ciranda, montagem de Célia Forte que fez muito sucesso em SP. Em breve, vou filmar nos EUA com Matthew Broderick. Sou workaholic, amo o que faço.
– Como a yoga e a meditação a ajudam?
– Faço yoga há quase cinco anos. É bom, pois não há horário para isso. Comecei a meditar este ano; me ajuda a estar no ‘momento presente’. Também busco estar em família, em meio à natureza e manter uma alimentação saudável.

– Gostaria de ser mãe?
– Quero filhos, sim. Mas tenho de começar a pensar nisso, pois tenho 38 anos... Tenho de dar um jeito de ‘encaixar’, mas agora estou cheia de trabalho...

FONTE\CARAS

Nenhum comentário:

Postar um comentário