quinta-feira, 30 de julho de 2015

Arlindo Grund revela desastre fashion: 
"Sandália de 12 centímetros"
Famoso por apresentar de maneira espontânea o programa 'Esquadrão da Moda', o stylist responde perguntas enviadas pelos leitores de QUEM
Um dos nomes mais procurados para falar de moda na atualidade, o stylist Arlindo Grund ganhou o Brasil com seu jeito espontâneo de dar dicas de estilo no programa Esquadrão da Moda, do SBT, que apresenta há mais de sete anos ao lado de Isabella Fiorentino. 
O pernambucano nascido no Recife, com formação, pós-graduação e mestrado em comunicação, veio a São Paulo em 2003 para fazer o styling de desfiles e editoriais de revistas, até que surgiu o convite para a TV. 
Na quinta-feira (16),  ele realizou um sonho: o lançamento de seu primeiro livro, o Nada para Vestir (editora Planeta). 
“Abrir o guarda-roupa das participantes do Esquadrão permitiu que eu enxergasse a moda de maneira mais real. 
E esse é o intuito do meu livro: deixar a moda mais acessível”, conta Arlindo à editora de moda Andrezza Duarte sobre o novo trabalho. Confira as respostas do stylist às perguntas enviadas pelos leitores de QUEM.
1. Quando e por qual motivo você decidiu trabalhar com moda? 
Maria Louro, São Paulo (SP)
Não sei dizer exatamente quando foi. Tenho boas memórias de minha avó, Regina Grund, se arrumando, sempre impecável. Ainda me lembro de uma foto dela usando uma camisa branca com uma camélia preta, linda. Sempre tive fascínio pela moda. Amo as milhares de possibilidades que uma roupa oferece. Gosto de olhar para uma peça e imaginar as diversas opções que ela me dá. Apesar de todo o meu histórico acadêmico ser em comunicação, meu escritório em Recife era voltado para o mercado fashion. Então, quando Fábio Paiva, meu sócio, me chamou para trabalhar efetivamente nesse ramo em São Paulo, não pensei duas vezes.

2. Você já sofreu preconceito por ser um homem trabalhando no mercado de moda? 
Ariane Avanci, São Paulo (SP)
Sim, mas esse tipo de acontecimento é muito esporádico. E geralmente vem de pessoas que não têm informação ou esclarecimento sobre o assunto. Busco não ligar para isso.

3. Qual foi seu maior desastre fashion? 
Raquel Ribeiro, Rio de Janeiro (RJ)
Na faculdade, no início dos anos 90, queria subverter. Então, coloquei um solado de 12 centímetros numa sandália que tinha. Fiz uma releitura dos sapatos cavalo de aço dos anos 70 (risos)! Lembro que, logo depois, as Spice Girls apareceram com aquelas botas tipo quebra-pé, sabe? Pronto, foi o suficiente para aposentar minha criação!

4. Quando você precisa dar um presente a alguém que não conhece tão bem, o que faz?
Robson Brustello, Sertãozinho (SP)
Pesquiso muito sobre a pessoa. Mesmo quando a conheço bem, faço uma bela pesquisa. Gosto de dar presentes que serão usados e aproveitados!
5. Quando vê algum amigo usando uma roupa cafona, você avisa?
Beatriz Cressoni, Santo André (SP)
Claro! Sempre fiz isso antes mesmo do Esquadrão. Meus amigos falam que estou trabalhando no lugar certo. Quando alguém chegava meio desarrumado em minha casa, abria meu acervo de roupas e produzia o convidado. Amiga minha tem que se vestir no mínimo adequadamente, afinal, estou por perto para responder às dúvidas.

6. Se as mulheres tivessem que escolher apenas uma peça-chave no guarda-roupa da qual não pudessem abrir mão, qual você sugeriria?
Rita Magalhães, Curitiba (PR)
Um blazer mais alongado de algodão ou linho.

7. Você e a Isabella Fiorentino realmente se dão bem? 
Fausto Pires, Campo Grande (MS)
A minha amada Bella é uma pessoa deliciosa de se conviver e trabalhar. Acho que o resultado de nossa amizade e parceria se reflete no sucesso do programa, que está há mais de sete anos no ar. Eu amo a Bella e é muito prazeroso dividir nossas experiências.

8. Você gostaria de ter seu próprio programa de televisão?
Andréia Frazão, São Paulo (SP)
Estou satisfeito com o Esquadrão da Moda, não penso em ter outro.

9. Você já conquistou tudo o que sonhou?
Ubiratan Marques, Uberlândia (MG)
Sonho todo dia e não planejo minha vida. Gosto de ver resultados! O que me deixa feliz é a realização das participantes do Esquadrão. E o lançamento de Nada para Vestir é um sonho que se concretiza. Nele, conto de maneira coloquial como as mulheres podem ter a moda como aliada. Acabou o desespero na hora de ir a uma festa ou reunião importante!

10. Onde você se vê daqui a dez anos? 
Vanessa Cruz, São Paulo (SP)
Não me imagino no futuro, assim como nunca pensei em trabalhar na TV até ser indicado para participar do programa. Vivo um dia de cada vez.

FONTE/QUEM

Nenhum comentário:

Postar um comentário