segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Sem vaidade, Grazi emagrecerá mais para 'Verdades secretas': 
'Ficar destruída está me dando prazer'
Atriz conta que usou seu medo da solidão para compor Larissa, a modelo viciada em crack da novela das 23h: 'Tenho medo de perder o amor das pessoas'

Por Natalia Boere 
 — Despida. De vaidade, de pudores, de preconceito. É assim que Grazi Massafera vem se apresentando em “Verdades secretas”, novela das 23h em que interpreta Larissa, modelo decadente que se envolve com drogas. 
A personagem, que tem mergulhado cada vez mais no crack — vai virar mendiga nas próximas semanas —, colhe elogios da crítica e do público, inesperados para a atriz.
— Outro dia uma mulher me falou na rua: “Nossa, você está bem na televisão, né? Já está ficando esquisita”.
 Eu achei engraçado. Pela primeira vez estão me distanciando de um tipo de personagem, isso é muito novo para mim. 
Geralmente, faço mocinhas sofredoras, que se misturam um pouco comigo. 
Agora, estou sentindo algo diferente, pessoas diferentes estão falando comigo, estou muito feliz — conta Grazi, que já participou de sete novelas desde que estreou como atriz, em “Páginas da vida” (2006).
Ela diz que “não estava acostumada” a elogios por sua performance na TV e que está exercitando a aceitação profissional no divã do analista.
— Sou supercrítica, mais cruel comigo do que as pessoas. Aprendi na terapia que tudo bem você se criticar.
 Mas você tem que perceber que tem pontos fortes e fracos e não se culpar tanto, para tentar evoluir — reflete Grazi, avaliando seu trabalho na trama de Walcyr Carrasco. 
— A Larissa é fruto de uma maturidade, de um entendimento da carreira, de mim mesma e da equipe da novela, que é excepcional.
O convite para viver uma modelo drogada em “Verdades secretas”, Grazi diz, veio em novembro, pouco depois de ela voltar de uma viagem à Espanha, onde fez um curso de interpretação com o preparador Juan Carlos Corazza. 
E de saber que tinha perdido a vaga de apresentadora do “Superbonita” para Ivete Sangalo:
No ar em 'I love Paraisópolis', Dalton Vigh fala sobre o rótulo de galã que o acompanha e a vontade de formar família
Louca para arranjar marido em 'Além do tempo', atriz Flora Diegues diz que não quer se casar na igreja
— Fui para Madri porque eu sempre me questionei na profissão de atriz. Tinha acabado de fazer o “Superbonita”, gostei da experiência de apresentar, queria saber se deveria seguir mais para esse lado. 
Fiquei um pouquinho triste por não ter ficado no programa, cheguei a pedir para gravar mais uma temporada. Mas olha como que a vida é, né? De repente, me deu uma rasteira, mas me trouxe a Larissa.
A personagem foi conquistada. “Encorajada e reapaixonada pela atuação” após o curso na Espanha, Grazi recebeu ligações de Mauro Mendonça Filho, diretor de núcleo da novela, e da produtora de elenco Bruna Bueno, a chamando para um teste:
— Eles me deram uma sinopse rápida, disseram que seria um papel forte. E eu fiquei: “Vou, ou não vou?”. 
Tinha dúvidas se eu conseguiria fazer uma coisa diferente, se o meu material como atriz era suficiente, mas resolvi me jogar. 
Antes do teste, fiquei a noite inteira acordada estudando. Queria entender o que acontece com uma pessoa que passa uma noite sem dormir, como fica o físico no dia seguinte.
Grazi partiu para a composição de Larissa. Filha de uma família desestruturada, a modelo se prostitui com a conivência da mãe, para sustentá-la, depois de ver o sonho de uma carreira internacional de modelo ruir com o tempo.
— Peguei um pouco dos meus medos, como solidão, para construir a Larissa. Vi filmes como “Gia”, sobre a história real de uma modelo que se contaminou com o vírus da Aids usando heroína, e passei um dia na Cracolândia, em São Paulo, para tentar entender o que leva os usuários ao consumo do crack, quais são as angústias deles, o que é o fundo do poço, sabe? Vi uma realidade muito chocante — relata.

ATRIZ FICOU SEM LAVAR O ROSTO

A transformação física, ela conta, também foi importante. Grazi emagreceu três quilos — está com 57kg, distribuídos em 1,73m — e ainda quer perder mais peso para a personagem.
— Eu e o Maurinho entramos num consenso de que essas pessoas ficam dias sem comer, sem tomar banho e emagrecem, né? 
Foi engraçado que a gente conversou com uma usuária de crack, e ela falou para mim: “Ah, não emagrece não. 
Você não precisa, já é magra. Olha só como eu sou gordinha” — diverte-se ela, que está fazendo provas para uma prótese com dentes amarelos que usará em breve em cena — Fico parecendo um babuíno louro.
“Vaidosa por natureza”, Grazi diz que está achando “prazeroso” se desprender do espelho para interpretar a personagem:
— É uma delícia chegar no Projac e não ter que fazer cabelo. Já fiquei sem lavar o rosto para ver como fica a pele com o rímel borrado, ficar destruída está me dando prazer. E resolvi comer a unha porque acho que esse personagem faz isso. Gosto de comer unha, mas estava num período de abstinência.

BANHO DE SAL GROSSO
Tanta entrega, ela conta, a deixa exaurida. Ao voltar das gravações, costuma rezar e tomar um banho de mar para lavar a alma antes de encontrar a filha, Sofia, de 3 anos, fruto de seu casamento com Cauã Reymond.
— O trabalho é exaustivo e a Larissa tem uma energia pesada que cansa. Acho que o banho de sal grosso funciona. 
A mente da gente é brilhante, é nosso poder. Se eu penso que aquele sal está me limpando e levando a urucubaca embora, ela está indo, pode ter certeza — afirma Grazi, que se diz uma pessoa “de fé”.
Por muito tempo, no entanto, Grazi foi de guardar as angústias para si:
— Meus pais se separaram quando eu tinha 9 anos, e algumas coisas ficaram engasgadas, tinha muita dor de garganta. 
E vejo hoje que era por falta de me comunicar. Passei a escrever o que eu sentia num caderno, e os sintomas começaram a melhorar. Até hoje faço isso, tenho vários caderninhos.
Grazi está solteira desde o término do relacionamento com Cauã, no final de 2013. 
Os boatos que sempre surgem envolvendo o seu nome (os mais recentes afirmaram que ela teria voltado com o ex-marido e que teria se envolvido com o ex-judoca Flávio Canto) a incomodam, ela conta. Mas não por muito tempo:
— Nos primeiros 15 minutos, eu fico chateada, mas passa. Boatos vão sempre existir, vai da criatividade de quem está na edição naquele momento. Eu não tenho como ter controle.

'SEM TEMPO PARA PAQUERAR'
O atual estado civil também não a preocupa. Ela diz que está “sem tempo para reaprender a paquerar”.
— Não estou focada nisso, não tenho energia. Os paparazzi até saíram da minha porta, graças a Deus! (risos). 
Teve uma época que estava fogo, não podia nem dar uma fugidinha — lembra ela, que não se desfez de um desejo antigo. 
— Sonho me casar de branco. E meu sonho quando estiver mais velha, uma senhora, é ter uma casinha no meio mato, com um monte de bicho, que eu esteja casada e que a Sofia queira sempre me visitar e me levar os netos. E para isso acontecer eu estou plantando muito amor, sabe?
Sofia, entretanto, tem perdido um pouco da atenção de Grazi nos últimos tempos. A atriz está de mudança: trocando uma casa na Zona Oeste do Rio por um apartamento na orla da Zona Sul:
— Vi que minha vida começou a aumentar muito e pensei: “Espera aí: qual é o meu estilo? É mais simples” 
Gosto muito da minha casa, sou canceriana, caseira, mas a estrutura está ganhando uma proporção que está me demandando mais do que me oferecendo. Quero dar uma simplificada.

O PRIMEIRO BEIJO FOI 'BABENTO'

O gosto pela simplicidade vem de lá de trás. Nascida e crescida em Jacarezinho, município com 39 mil habitantes no interior do Paraná, Grazi diz que, na adolescência, gostava mesmo era de ir para quermesses e assistir a filmes de terror na casa da tia. 
O primeiro beijo, aliás, foi com um menino de São Paulo que costumava passar férias na cidade.
— Foi horrível, achei babento. Era apaixonada por ele, mas ele me beijou à força, eu sou mais românticazinha. Eu tinha 14 anos — lembra.
Referência de beleza, Grazi diz que não sentia os homens a olhando quando andava nas ruas da terra natal.
— Sempre existiu mulher mais bonita do que eu. Era meu sonho passar por uma obra e ser chamada de gostosa. 
Sempre fui um pau seco. Aos 16 anos, quase não tinha peito. Hoje, vejo que era vantagem porque as meninas que menstruaram antes de mim já estão mais caídas — lembra ela, que tem prótese de silicone nos seios há 10.
Aos 33 anos, Grazi afirma não se preocupar com a passagem do tempo, mas não descarta aplicar botox “comedidamente”. Diz que “deveria ser mais cuidadosa” com o corpo e que não tem medo de perder o viço.
— Tenho medo é de perder o amor das pessoas. É claro que a gente é vaidosa, mas acho tão importante você viver cada idade com desapego... Acho que tem coisas muito mais difíceis de lidar do que a aparência.

FONTE/OGLOBO

Nenhum comentário:

Postar um comentário