quinta-feira, 26 de maio de 2016

 Perto dos 50 anos, Ingra Lyberato fala de cinema, do filho e de elogios à boa forma:
 'Se sentir necessidade, farei plástica' 
Por Florença Mazza
 Sucesso nos anos 1990, quando chegou a estrelar novelas na TV Manchete e fez papéis marcantes em folhetins da Globo, Ingra Lyberato lançará, ainda este ano, dois filmes.
A atriz - lembrada até hoje pela personagem Ana Raio - aparecerá falando francês em "Going to Brazil", de Patrick Mille, e, ao lado de ZeCarlos Machado, interpretará a mãe de uma adolescente em "À espera de Liz", de Bruno Torres.
 - A equipe de caracterização teve que recorrer à maquiagem para que eu ficasse com a aparência mais envelhecida.
Isso porque interpreto uma mulher da minha idade no longa - conta Ingra, que completará 50 anos em setembro. 
 A boa forma da atriz, aliás, é motivo frequente de comentários nas redes sociais.
E Ingra fala com tranquilidade sobre isso: 
ex-bailarina, ela diz que mantém uma rotina frequente de exercícios físicos (ioga e corrida), cuida da alimentação, não bebe e largou o cigarro há 22 anos.
 -Eu me olho no espelho e realmente acho que estou muito bem. 
E não é só na aparência, não. Eu tenho muita energia e disposição.
 Quem convive comigo uns dias, sem saber a minha idade, sempre leva um susto quando falo que farei 50 - observa Ingra, que nunca fez plástica, mas não descarta a possibilidade.
 - Adiarei o quanto puder, mas, se achar necessário, farei, sim.
Estou muito tranquila com a minha idade. 
É bom olhar para trás, ver o que eu vivi, os tropeços, os erros, os acertos.
Tudo isso traz serenidade e continuo cheia de amor pela vida, com desejo de expandir meus limites.
 Mãe de Guilherme, de 12 anos, Ingra voltou para o Rio há quatro anos, depois de 11 morando em Porto Alegre com o ex-marido Duca Leindecker, músico e pai de seu filho.
Foi em 2012 que ela fez sua última novela, "Balacobaco", na Record. 
A atriz - que estava em cartaz até o mês passado com a peça "Amores urbanos" e que tem rodado um filme por ano, em média - diz sentir saudades da TV.
 - Esse tempo que passei no Sul acabou me afastando do mercado, é natural. 
Tenho feito mais cinema e teatro apenas por questões de oportunidade.
Adoraria voltar às novelas. Ingra também explica por que mudou a grafia de seu nome, há cerca de seis meses. 
Curiosa ("sou baiana, na dúvida, eu acredito em tudo"), ela consultou um numerólogo e acatou a sugestão de que, se trocasse o "I" por um "Y" no sobrenome, teria mais chances de formar parcerias profissionais.
 - Não é que surtiu efeito? É claro que também estou mais focada nisso, em formar grupos de criação etc. 
Mas tá rolando... A dica, pelo visto, também rendeu frutos na vida pessoal: há cerca de três meses Ingra está namorando.
Ela prefere manter o nome do eleito, que mora em São Paulo, em sigilo: - Estamos nos conhecendo ainda, é tudo muito recente. 
Prefiro não comentar. Além da ponte-aérea para São Paulo, ela viaja muito para Porto Alegre, onde o filho mora.
A decisão de deixá-lo lá foi tomada em conjunto por Ingra e Duda.
 Mas, no ano que vem, Guilherme pretende morar um ano no Rio, com a mãe.
 - Lá ele tem toda a estrutura afetiva, a família do pai, os amigos, a escola. 
Mas ele adora vir para o Rio e pretende passar uma temporada aqui - conta.

FONTE/OGLOBO

Nenhum comentário:

Postar um comentário