sábado, 14 de maio de 2016

 Diego Montez:
 "Meu pai sempre quis que eu trabalhasse em outra área"
 Destaque em musical encenado em São Paulo, filho da atriz e ex-modelo Sônia Lima e o apresentador Wagner Montes fala sobre os primeiros passos na carreira 

Por Guilherme Samora
 Diego Montez não para. No ar na TV em Cúmplices de um Resgate, novela do SBT, e nos palcos no musical Wicked, em São Paulo, o ator conquista aos 25 anos seu espaço nas duas áreas com competência. 
 “Vim de outros musicais, foi o gênero que me fez ter a certeza de que queria ser ator”, diz ele. 
 Filho de um casal de artistas, a atriz e ex-modelo Sônia Lima e o apresentador Wagner Montes, ele recebeu o apoio da mãe, mas trilhou o próprio caminho. 
“Meu pai sempre quis que eu trabalhasse em outra área. E minha mãe é a grande responsável: ela que me colocou na escola de ator desde pequeno”, explica. 
“Ela vê tudo, comenta, critica. Isso é ótimo, confio muito no que ela acha. Já meu pai acha tudo o máximo, ele foi ao Wicked e se emocionou horrores.”
 A preparação para o musical, uma superprodução da Broadway, é intensa: 
“Ensaiamos muito até hoje, mesmo depois da estreia. E é muito prazeroso. 
A gente precisa se cuidar, tenho acompanhamento com otorrino para a voz. 
E quando tem espetáculo no dia seguinte, não saio. 
No máximo vou jantar, para estar bem no dia seguinte. 
Além do cuidado com o corpo e com a alimentação”. 
 Nesse caso, Diego acaba tendo uma atenção redobrada: “Eu tenho um passado cheinho.
 Quando era criança, eu fui obeso. 
Cheguei a pesar 112 quilos aos 15 anos.
 Comecei a emagrecer saindo do colégio, mas foi por escolha minha, questão de saúde. 
Eu realmente gosto de comer, tenho um grande prazer com isso. 
Então, não me privo, mas eu não posso descuidar nos exercícios físicos, pois tenho uma facilidade grande para engordar. 
Nem sei de onde veio isso, pois nem meu pai nem minha mãe têm essa genética”. 
 NO METRÔ 
 Nas ruas, Diego é reconhecido mesmo como o vilão Tomas, da trama do SBT. 
“Com um público infanto-juvenil, a novela tem muitos fãs.
 Ando muito de metrô e de ônibus e converso todo dia com as pessoas que acompanham a história.
 Como Tomas é um vilão, as crianças têm um pouco de receio de se aproximarem.
 Já o pessoal de 13, 14 anos vem conversar, pede fotos. O elenco é demais. 
Contracenar com a Dani Moreno, com o Tiago Amaral e com a Juliana Baroni é uma delícia.”
 Além de estar na telinha e nos palcos, Diego continua com seu sonho de adolescência, que é se tornar, também, um roteirista: “Sempre quis escrever e escrevo até hoje”. 
“As conquistas são só dele” “Uma coisa que me impressiona no Diego é a determinação, a disciplina e o foco.
 Ele sabe muito bem o que quer e vai cada vez mais longe. 
Ele tem uma estrela muito grande e um talento imenso para escrever, atuar, dançar. 
É humilde e está sempre atento para aprender. 
É o sonho de toda mãe: inteligente, estudioso, aplicado.
 Às vezes, é meio rabugento e teimoso, mas isso a gente tira de letra perto de tanta alegria que ele nos dá. 
Todos os musicais e novelas dos quais participou foram sempre por mérito dele.
 Diego nunca usufruiu de minhas relações ou das do pai para beneficiá-lo. 
Eu me lembro do início da minha carreira, do quanto tive que batalhar. 
E com ele não é diferente: Diego saiu para desbravar seu mundo. 
E entra em filas, passa por etapas de testes, vai atrás de tudo. As conquistas são só dele.” Sônia Lima


FONTE/QUEM

Nenhum comentário:

Postar um comentário