quarta-feira, 11 de maio de 2016

 Gilmar Rodrigues:
 "Meu filho me colocou no eixo"
 Apresentador e faz-tudo do programa 'Santa Ajuda' está na seção A a Z desta semana 

Por Patrick Monteiro 

 Arte 
“Depois de um tempo aprendi a não brigar com o idealismo. Às vezes o cara é artista e acha que tem que deixar de ser artista, porque não consegue viver da arte. Para a grande maioria o ator é o que está contratado na grande mídia, mas não. O ator é o que atua. Na época que a Diesel veio para o Brasil, fui trabalhar na loja do Shopping Iguatemi, em São Paulo, porque eles queriam modelos como vendedores. Eu já estava ganhando uma grana como modelo. E aí percebi que podia ganhar dinheiro de outras formas.” 

 Bola 
“Desde de moleque eu jogo futebol. Hoje não pratico tanto por causa do joelho. É também o primeiro esporte do meu filho.” 

 Cicatriz 
“Tenho uma tatuagem que simboliza uma cicatriz no meu peito. Fiz quando meu filho ia completar um ano. Quando ele nasceu houve uma transformação incalculável em minha vida. É impressionante o amor que sinto por ele. É um estrondo.” 

 Davi 
Me separei da minha ex-mulher no ano passado e o relacionamento com o Davi é por telefone, porque ele mora em Santa Cataria. Mas vou vê-lo quando consigo. Em fevereiro nós ficamos uma semana juntos, só nós dois, foi um sucesso (risos). Ele me colocou muito no eixo. Foi uma coisa muito boa.” 

 Ego 
“Se quiser trabalhar meu ego vou no aeroporto (risos). Fomos gravar em Copacabana uma vez e uma mulher me pediu uma foto... Quando vi já tinham várias, me achei o cara! Também fico feliz quando alguém vem alguém comentar sobre a dica que dei no programa. As duas formas de abordagem são válidas. O ego é consequência, mas quem não gosta?”

 Ferramentas 
“Eu cresci mexendo com ferramentas e costumo dizer que sou um ótimo assistente. Tenho um tio que é gênio em reparos.”
 Gandhi 
Tenho como seguidores caras como Gandhi, Maomé, Cristo... Tento me equilibrar. Gosto do Papa Francisco, principalmente por ele atualizar a igreja católica.” 

 Hide Park
 “Era o meu quintal em Londres, o lugar que eu mais me divertia no tempo que passei lá. Estudava muito lá por conta da tranquilidade. E namorar, sempre que possível (risos).” 

 Ioga 
“Comecei a fazer com 20 anos e vou fazer 39 anos em 2017. Hoje eu não faço regularmente, mas já tive períodos que era parte da minha rotina. Às vezes não dá tempo, né.”

 Jedi 
 “Sou cinéfilo bravo. Na vida a gente tem que ter um pouco da força jedi para sobreviver aos nossos políticos.” 

Londres 
 “Fiquei um ano e dois meses lá como modelo. Mas lá trabalhei também em reforma de flat. Éramos em duas equipes. A primeira entrava e destruía tudo, que era o que eu fazia, e a outra reformava. Tinha uns 27 anos nessa época. E isso me ajudou muito com o Santa Ajuda. Trabalhei como motorista de van também (risos). Fazia delivery de sanduíche industrializado.” 

 Moda 
“Aos 17 anos me inscreveram em um concurso de uma agência de modelo, em paralelo com o meu alistamento militar. Mas era muito rebelde na época. Fiquei bem classificado no concurso e ia para São Paulo. Aí fiquei dividido entre seguir a carreira militar ou a de modelo. Um tio, que era militar, me convenceu a seguir para a moda.” 
Niterói 
“Foi o primeiro lugar que morei no Rio, na época do concurso de modelo e do alistamento. Tinha uma namorada de lá e fui morar com ela. Aí também comecei a fazer teatro na Universidade Federal Fluminense (UFF). Fiquei na ponte São Paulo – Rio.” 

 Obstáculo 
 “Sem obstáculos não tem superação. Desde criança tive que saber lidar com os obstáculos que a vida me deu. Você pode fazer dele uma escada. Não é para te tirar do jogo, e sim para te motivar a ser melhor na conquista.”

 Paixões 
“Eu amei. Posso morrer porque já amei. O amor me pegou mesmo, na veia, total! Tinha uma namorada e vim para o Rio. Tinha outra e voltei de Londres por ela. Depois me casei com a mãe do meu filho, separei, e agora estou namorando há oito meses. A gente já se conhecia há muitos anos.”

 Querer 
 “Me coço para estar no palco. Às vezes quero muito estar ali. E o personagem me protege de qualquer coisa.” 

 Roupas 
 “Esporadicamente trabalhei em lojas, vida de freelancer. Antes de entrar para o Santa Ajuda á trabalhava em escritório de representação de roupas masculinas. E fiz um acordo com o escritório que ia precisar estar fora uma vez na semana para gravar para o GNT. Nos acertamos e ficou ótimo para os dois. Como pai de família, trabalhador, como artista. E isso é uma coisa que posso fazer a vida inteira.” 
 Santa Ajuda 
“Eles estavam buscando um ator que, no começo, seria um ‘marido de aluguel’, mas essa conotação ficou muito sexual e erótica e, por isso, virou um ‘faz tudo’. A pessoa tinha que ter um conhecimento mínimo de ferramentas. O que tentamos é transformar aquele conhecimento de forma adequada para o espectador. Queremos mostrar que, se você tomar as precauções de segurança adequadas, todos podem fazer.” 

Tatuagens 
“Tenho seis. A primeira é um símbolo de yin, para me lembrar que precisava me acalmar. E depois de um tempo comecei a fazer ioga. Fiz aos 17 anos. Funcionou como um símbolo de poder, não é simplesmente um desenho. Todas têm um significado.”

 União 
“De família, dos amigos, do ser com a natureza. É primordial esse elo. A união faz a força e por mais forte que você seja, sozinho é impossível.”

 Vaidade 
“O meu limite da vaidade é usar hidratante e filtro solar. Não sou um metrossexual. Mas estou sempre de banho tomado. Gosto de um perfume. E adoro sol. Gosto de surfar, andar de skate, jogar bola. Tudo no sol, pareço lagartixa. E há um tempo fui à dermatologista porque estava com umas pintinhas na perna e ela me disse que era bom usar creme hidratante.” 

Xampu 
 “Para mim antes era xampu, condicionador e pasta de dente. Só isso era necessário. Agora uso filtro solar e hidratante, é o limite da vaidade...” 

 Zeus 
 “Ele é o equilíbrio de todas as forças. É a ordem

FONTE/QUEM

Nenhum comentário:

Postar um comentário