domingo, 22 de maio de 2016

Sandy: 
Dizer ‘não’ é uma tarefa difícil 
Por Leo Dias
 Sandy é a entrevistada de hoje da coluna. 
Na entrevista a seguir, ela fala sobre como é estar no júri do ‘SuperStar’ pela segunda vez, admite que não gosta de expor o filho, Theo, e revela seus gostos musicais. 
Sobre o dominical, a cantora conta que não é fácil eliminar uma banda.
 “É uma tarefa difícil porque você está falando de um sonho”, observa Sandy.
 Sandy Você teve um show esgotado sábado no ‘Vivo Rio’ e abriu uma data extra na sexta-feira. Quem é hoje o seu público? 
Tenho muitos fãs que me acompanham desde a época da dupla com o meu irmão, que cresceram junto comigo. A maioria deles tem entre 25 e 35 anos mas, desde que iniciei a carreira solo, percebo o público se renovando, gente nova se identificando com meu som.

 Que tipo de música você ouve em casa?
 Sou bastante aberta a todos os estilos musicais e gosto de ficar atenta às novidades. Ouvir novos sons sempre me enriquece profissionalmente. Adoro John Mayer, Nerina Pallot, KT Tunstall, Coldplay, Damien Rice, Ella Fitzgerald e muitos outros…

 Essa é a sua segunda temporada no ‘SuperStar’. Qual é a parte mais difícil de ser jurada no programa?
 Esta é a terceira temporada do programa e a minha segunda como jurada. Dizer ‘não’ é uma tarefa difícil porque, de certa forma, você está falando de um sonho, de uma batalha, de tudo o que aquela pessoa que está ali, na sua frente, fez para alcançar seu espaço. Um desafio complicado, porém emocionante.

 Já se arrependeu de alguma coisa que tenha feito ou falado no programa? 
Sempre fui muito sincera e sempre busquei minha verdade para pontuar as minhas opiniões. Talvez não seja ‘arrependimento’ a palavra mais correta. Mas, na edição passada, por às vezes deixar o coração falar mais alto, acabei aprovando bandas que, ao meu ver, tomaram lugar de outras mais qualificadas e que acabaram saindo da competição. 
 Sandy posa com Paulo Ricardo e Daniela Mercury

 Você chamou o Paulo Ricardo de ‘blasé’ quando ele não concordou com um comentário seu. Como é o clima nos bastidores? 
Foi uma grande brincadeira. E não foi porque ele não concordou com algo que eu disse, mas porque ele disse, sem nenhuma empolgação, que tinha gostado muito de uma certa apresentação. As pessoas parecem que estão se esforçando para arranjar alguma polêmica… Eu e Paulo, que estamos juntos desde a temporada passada, criamos um vínculo legal, que se tornou uma amizade fora do programa; nos falamos sempre. Somos todos uma grande equipe e todos riram muito da situação. 

 Como você lida com as críticas?
 Com mais de 25 anos de carreira, você aprende a lidar com as críticas. Fazem parte da profissão. As construtivas eu absorvo e procuro melhorar. Já com aquelas que são ‘maldosas’ e sem fundamento, procuro não me abalar.

 Por que você nunca posou nua?
 (Risos) Estou feliz em ser reconhecida pelo meu trabalho musical, artístico. Seja como cantora, compositora, atriz e agora jurada do ‘SuperStar’! Tá ótimo assim. Não preciso de mais nada.

 Você deu uma entrevista polêmica para a ‘Playboy’ em que falava até sobre sexo anal. Se arrependeu? 
Nem um pouco! Ao meu ver, a tal ‘frase’ virou ‘polêmica’ só porque foi tirada completamente do contexto.

 Por que você tem tanto cuidado em não expor Theo? Tem medo da violência? 
Acho que as pessoas já entenderam e respeitaram essa questão. É apenas uma escolha e decisão minha e do Lucas, já que nós somos os ‘famosos’, e não ele. 

 Você tem o ‘SuperStar’ e agora retomou a rotina de shows. Theo vai junto? 
Sempre que temos estrutura para que ele mantenha a rotina dele, horário de dormir e comer, levo-o comigo, sim. 

 Ele é mais parecido fisicamente com você ou com o Lucas? 
Acho que tem um pouco de nós dois… Algumas pessoas dizem que é mais comigo. Outras, que é mais com ele. Eu sou suspeita (risos)! 

  Qual é o bônus da fama? 
Poder viver do que eu mais amo fazer e ter o meu trabalho reconhecido pelo público e pelos fãs é uma recompensa incrível. Sou extremamente grata a isso.  

E o ônus da fama?
 Por vezes, notícias falsas… Sorte a minha que diminuíram muito, mas, de vez em quando, ainda aparecem e, consequentemente, a falta de privacidade. 

 Você é vaidosa?
 Acho que toda mulher tem seu lado vaidosa com a aparência. Umas mais, outras menos. Acho que sou ‘na medida’. 

 Como você se vê daqui a dez anos? 
É difícil projetar, mas quero continuar nos palcos, fazendo a minha música e tentando tocar as pessoas com o meu trabalho.

FONTE/ODIA

Nenhum comentário:

Postar um comentário