terça-feira, 28 de junho de 2016

Angélica:
"Sempre sonhei com uma família grande"
 Apresentadora fala do amor por Luciano Huck e pelos filhos, Joaquim, Benício e Eva, e revela viver momento especial de realização e segurança 

Por Roberta Escansette 
  Angélica, 42 anos, recebe a equipe de Contigo! sorridente, de cara lavada e atenta ao celular. 
Educada, ela justifica: aguarda o telefonema do primogênito, Joaquim, 11, para saber se ele e a caçula, Eva, 3, já saíram da escola.
 A apresentadora diz que deseja dar um beijinho nas crianças antes de começar a sessão de fotos. 
O filho do meio, Benício, 8, naquele dia, seguira para outra atividade, sem os irmãos. 
“Tenho de aproveitá-los muito quando ainda são pequenos, enquanto der para mantê-los debaixo das minhas asas”, diz a apresentadora. 
Apesar dos últimos 12 anos de muitas mudanças – o casamento com o Luciano Huck, 44, a maternidade, seu bem-sucedido programa Estrelas (Globo), entre outros acontecimentos, como o acidente de avião há um ano com a família no Mato Grosso do Sul –, Angélica continua a mesma. 
Além da beleza, mantém a simplicidade de sempre, o jeito extrovertido e, principalmente, a maneira verdadeira de encarar a vida e falar sobre ela. 
“Comecei a trabalhar criança, então, para mim, todo esse universo é normal. Isso não me deslumbra, é meio chato até”, dispara. 
 FAMÍLIA MARGARINA
 “Óbvio que a gente não é uma família margarina. Óbvio que temos nossos problemas, nossas questões. Mas, se passamos uma imagem boa para as pessoas, então, tudo bem. Melhor do que imaginarem algo contrário. No mundo de hoje, onde as coisas estão tão perdidas, sem referências, se temos oportunidade de passar algo de bom, uma esperança, que bom, me sinto gratificada. É claro que as pessoas fantasiam um pouco. Mas somos uma família bonitinha, legal. Nós curtimos ser essa família.” 
 AMOR DE OUTRAS VIDAS
 “Quantas vezes eu casaria com o Luciano? Ah, umas dez, sei lá. Em outras vidas? Casava com ele várias vezes. Há alguns dias, a gente pensava nisso. Estamos juntos há tanto tempo, é tão intenso, que nem lembramos como era antes, como é que era namorar outras pessoas. Não lembramos. Acho que a nossa história é realmente cármica e que tinha de ser mesmo... Antes de nos encontrarmos, estávamos procurando um ao outro, sabe? Sempre estivemos por perto, mesmo sem percebermos. Então, era carma. É capaz de, se eu morrer e nascer de novo, nós voltarmos a nos encontrar (risos). Estamos superacreditando nisso ultimamente. E somos muito diferentes! Mas sei lá, dá certo.”

 CIÚME DE MÃE
 “Ciumenta? Imagine! Acho que vou ser assim quando os meninos começarem a namorar. Já até comecei a trabalhar isso na minha cabeça. Estou com um mantra, vivo repetindo, que desejo ser amiga das noras. Caso contrário, vou acabar afastando-os. Vou dar meus conselhos, mas tudo muito sutil.” 

QUARTO FILHO
“Se eu tivesse começado antes, teria mais um. Com 42 anos, já não tenho mais fôlego para ter filho. É cansativo, educar não é fácil. Gosto de criança, de casa cheia, sempre sonhei com uma família grande. Daqui a uns anos, vou adotar. Eu e Luciano já conversamos sobre isso. Vamos curtir os pequenos e depois, quando crescerem, adotamos. Adoramos a rotina de filho, do dever de casa.”
 NINHO VAZIO
“Brinco que quero os meus filhos debaixo da minha asa, que a minha semana não fica completa se não fizer coisas para eles, mas, ao mesmo tempo, tenho a minha vida, o meu trabalho, os meus amigos, a minha rotina de esportes... Coisas paralelas que me dão prazer também. Quando chegar a esse momento do ninho vazio, vou poder migrar para outras coisas. Não abri mão da minha vida. Na verdade, me dividi e estou louca (risos). Não precisei abrir mão de nada.” 

 MÃE HEROÍNA
 “Trabalhar cansa muito menos do que passar o dia cuidando de filho. Gravo o dia inteiro e não fico cansada. Às vezes, fico o dia inteiro com as crianças e estou morta à noite.”

 VOVÓ ANGÉLICA
“Ah, ser avó será bem mais para a frente! Serei tão abusada... Vou pegar para mim a criança (risos). Essa nora que está chegando aí, ela nem sabe ainda, mas ela que se cuide... (risos).” 

VAIDADE NA MEDIDA
 “Quando vejo foto minha aos 22 anos e agora, aos 42, ou seja, 20 anos depois, prefiro mais as atuais. Não só pela parte visual, mas pela segurança que tenho, antes existia a ansiedade. E claro que isso se reflete no visual. Esse papo de ‘de dentro para fora’ é bastante verdadeiro. Não adianta estar toda retocada e não estar feliz. Espero ter sabedoria para envelhecer, saber me cuidar, mas sem neuras. Tudo com calma. Comecei muito cedo a trabalhar com a imagem, para cair nas armadilhas da vaidade é um minuto. A gente trabalha com o quê? Com o ego. O tempo todo é o cabelo, a maquiagem... Procuro ser bem normal. Mas, ao mesmo tempo, acho que, para mim, é muito mais fácil ser normal do que para outras pessoas, que começaram já mais velhas.”
 CARA LAVADA 
“Quando não estou trabalhando, fico largada. Porque, para mim, é um relax ficar assim. Tanto que, quando me arrumo um pouco em casa, até as crianças reparam. Me perguntam se eu vou sair.”

 PASSAGEM DO TEMPO
 “Eu tinha mais bochecha. O cabelo também mudou muito. Você vê o tempo de televisão de uma pessoa pela quantidade de cabelos que ela perdeu ao longo dos anos (risos). Manipulo esses fios desde os meus 5 anos de idade. A pessoa passa chapa. Aí, coitado, ele sofre.”

 ANIVERSÁRIO DO ESTRELAS
 “Só o fato de o programa estar há dez anos no ar já me motiva. É raro e é bacana. A própria matéria-prima, que são os convidados, gostam ainda de fazer. Durante este ano, vamos juntar pessoas que participaram bastante e reviver com elas o que já foi ao ar. Os entrevistados acabam fazendo parte do Estrelas. Como é uma atração que não tem um cenário físico, tudo pode mudar. Pode ser na rua, em casa, uma entrevista séria, culinária, esporte, viagem... Acho que o fôlego que o programa mantém nesses anos todos é muito por isso. Estrelas não é engessado, é mutável.” 

 ANGÉLICA E O REI 
“Agora, a minha campanha é para ter o Roberto Carlos no Estrelas. Sou fã dele, já fui a tudo quanto é show do Rei, a gente já conversou, mas ele ainda não foi ao programa. Eu me coloco no lugar de fã, sim. Há pessoas com quem quero conversar, conhecer... E aí, quando entrevisto, fico mais apaixonada ou penso que esperava mais dela (risos). Imagino que com todo mundo deve ser assim.”
 FASE DE REALIZAÇÕES
 “É sempre a melhor fase a que estamos vivendo. Mas no caso, agora, se eu for pensar, é o melhor momento. De realização e segurança pessoal e profissional. Sei o que sou capaz de fazer e o que não sou capaz. Tenho consciência da história que construí. Fazer parte da trajetória das pessoas, para mim, já é tudo. Ainda tem o Luciano e os meus filhos. O melhor da minha vida foi ter formado essa família que eu sempre quis, sem nem saber que sempre quis. Descobri isso quando vi todo mundo ali, junto, percebi que isso me deixava completa.”

FONTE/CONTIGO

Nenhum comentário:

Postar um comentário