sábado, 11 de junho de 2016

 Marisa Orth: 
"Sou uma pessoa bem nervosa"
 A atriz Marisa Orth responde perguntas dos leitores de QUEM, revela o que a tira do sério e, aos 52 anos, garante que a fase dos 50 é melhor do que a dos 40:
 “Com 50, se quer mais é curtir a vida!”. 
 Falante e agitada, a talentosa atriz, que se acha mais interessante do que bonita, acabou de encerrar a temporada carioca do divertido musical Mulheres à Beira de um Ataque de Nervos e estreia no final do mês como Francesca em Haja Coração, nova novela das 7 da TV Globo. 
Ao responder às perguntas dos leitores de QUEM enviadas por email e através das redes sociais, Marisa Orth diz que só conseguiu atuar em um musical porque parou de fumar cinco anos atrás. 
 Também conta que, se não fosse atriz, seria professora e que adoraria dirigir peças. 
“Sou muito mandona”, explica, bem-humorada. 
Eternizada pela personagem Magda, do humorístico Sai de Baixo (1996-2002), confessa sentir-se chateada quando a mandam calar a boca, por causa do bordão “cala a boca, Magda”, que era dito pelo personagem de Miguel 
Falabella, seu parceiro de cena. “Reclamo do troco e o povo me manda calar a boca, me dá uma raiva!”, diz a atriz, também formada em psicologia. 
Aos 52 anos, garante que a fase dos 50 é melhor do que a dos 40: 
“Com 50, se quer mais é curtir a vida!”.

 Como está sendo construir Francesca?
 Fernanda Nunes, por email
 É um papel diferente do que já fiz na TV. Vai ter bastante cena dramática, porque ela é mãezona de quatro filhos, italiana, feirante. Mas ela também é leve, divertida. É bom que meu “paulistês” está fluindo. 

 O que a experiência de atuar em teatro musical te acrescentou?
 Claudia Bandeira Andreoli, Rio de Janeiro (RJ) 
Muita coisa. Depois de 30 anos de carreira, venho afinando meu sangue de novo. É como uma pós-graduação. Estou aprendendo a cantar melhor. Ou você canta bem ou você canta bem, não tem jeito de cantar médio. Faço muita aula, muita fonoaudiologia, muito aquecimento vocal. É difícil cantar.

 O que te deixa à beira de um ataque de nervos? 
Carla Prata, por email 
Sou uma pessoa bem nervosa, infelizmente. Trânsito, atraso, prazo... Não que eu seja pontual, mas tem gente que atrasa muito e não avisa.

 Pretende lançar um novo disco? 
Janaína Lomarte, Rio Branco (AC) 
O meu projeto Romance já está no volume III. Vou continuar fazendo. É uma delícia. Depois do musical, acho que vou cantar até melhor. 

 Tem vontade de escrever um livro, dirigir peças? 
Nathalia Gabriel Ferreira, Cotia (SP)
 Já escrevi coluna para jornal e achei muito difícil. De cada 20 textos, três ficaram bons, o que acho uma média incrível para alguém sem prática. Sou inquieta, gosto de todas as mídias, de me aventurar. Sobre direção, acho que sim, sou muito mandona. 

 Se não fosse atriz, que profissão teria?
 Ana Braga, por email 
Minha mãe e minha avó eram professoras e eu adoro ensinar. Já dei aula na faculdade de psicologia e em cursos de teatro. Há 15 anos faço parte da ONG Spectaculu, para jovens em situação de risco. Educação é o maior barato. 

 Qual foi a mudança mais substancial na sua vida nos últimos anos? 
Danaísa Alinda, por email
 Parei de fumar há cinco anos, graças a Deus. Não fumem, não fumem nada, fãs! Porque é f* largar. Não faria um musical se fumasse. Não teria fôlego. 

 O que mudou depois dos 50? 
Rita Belém, São Paulo (SP) 
Ah, muita coisa! O saco para aguentar qualquer situação diminui. É mais tranquilo do que quando a gente faz 40. Com 50, se quer mais é curtir a vida! Depois dos 50, aprendi de novo a ser feliz, estou achando bom. 

 Já fez alguma plástica?
 Antonia Della, por email 
Ainda não, mas já botei botox, suavizei aqui e ali, fiz preenchimento... Mas deixo vencer, você vê? Eu ponho de vez em quando, aí dá aquela relaxada. Estou sem botox algum na minha testa agora. 

 Para quem você mandaria um “cala a boca, Magda”? 
Telma Assis, por email 
Não gosto de mandar ninguém calar a boca. Porque me mandam e eu sei o quanto é insuportável. Sei que às vezes é brincadeira, mas me dá uma raiva!

FONTE/QUEM

Nenhum comentário:

Postar um comentário