quinta-feira, 23 de junho de 2016

Viviane Araújo: 
“Sempre tive o sonho de casar”
 Em cartaz com a peça 'Até que o casamento nos separe', atriz, de 41 anos, fala sobre planos de casar, ter filhos e fala sobre o próximo trabalho na TV: a nova novela das 7 

Por Beatriz Bourroul
 Viviane Araújo, 41 anos, mostrou para QUEM como é sua preparação para subir aos palcos. 
Considerada a rainha das rainhas do Carnaval carioca, ela dá passos cada vez mais firmes em sua carreira como atriz. 
 Ao lado do experiente Eduardo Martini, Viviane estrela a peça Até que o casamento nos separe, em cartaz no Teatro Leblon, no Rio de Janeiro, após uma temporada de sucesso na cidade de São Paulo. 
 “O convite para a peça veio na época em que estava na reta final Dança dos Famosos no ano passado. 
O processo de ensaios foi de muito aprendizado”, contou a atriz, que afirma viver um aprimoramento gradual. 
“Minha dedicação é verdadeira. Percebo que posso evoluir a cada trabalho.” Enquanto nos palcos estrela cenas de conflitos e momentos comuns na vida de um casal, Viviane é só alegria em sua vida amorosa. 
Pedida em casamento por Radamés no palco do programa Domingão do Faustão em dezembro de 2015, a atriz planeja oficializar a união ainda neste ano. 
“Sempre tive o sonho de casar.” Cheia de planos, ela volta à TV ainda em 2016. Na próxima novela das 7, Rock Story, com estreia prevista para o fim do segundo semestre, Viviane interpretará uma ex-dançarina de um grupo musical.

 Você está em cartaz com a peça Até que o casamento nos separe, no Rio. Em São Paulo, precisou conciliar duas peças ao mesmo tempo. Além desta, atuou em Cada um tem o anjo que merece. Foi desafiador? 
Gostei muito das duas personagens. Inicialmente, farioa só uma peça – Cada um tem o anjo que merece –, depois fiz Até que o casamento nos separe e me identifiquei com a personagem em alguns momentos. É uma delícia estar nos palcos. Gostei das duas personagens e o processo de ensaios foi de muito aprendizado 

Além do teatro, você está escalada para Rock Story, nova novela das 7. O que já pode adiantar da personagem e da preparação para interpretá-la? 
Gosto de traçar um perfil antes de começar a gravar. Quero saber a idade, como ela se veste... Gosto de visualizar a personagem primeiro, saber como ela anda, como ela fala, como gesticula. Sei que a personagem tem um filho de 17 e outra de 20. A Judite será muito mãezona e é ex-dançarina do grupo Rebola Samba, que tem o marido como cantor. Era uma dupla de dançarinas e ela morria de ciúme da outra.

 Quando a novela começar, ela já será uma ex-dançarina. É isso? 
Sim. Ela vai trabalhar como cozinheira e faz doces para vender na churrascaria onde o namorado toca. Sabe aquelas churrascarias com shows sem público? Será essa a realidade do personagem. Farei uma coisa que eu não sou: serei mãe – e de adolescente. Gosto de fazer o que é novo. 
Você já declarou que tem vontade de ser mãe. Esse desejo ainda existe? 
Quero ser mãe, claro. Tenho 41 anos e nesta minha fase, em que estão acontecendo coisas na minha carreira, que não consigo parar para focar na maternidade. Por isso, não é um plano para agora. Sei que terei que parar em um momento. Por enquanto, ainda não. Fica difícil de conciliar. 

 Você vive uma noiva nos palcos do teatro e ficou noiva na vida real – com direito, inclusive, a um pedido de casamento feito ao vivo no Domingão do Faustão. Já tem data e detalhes da união? 
Sempre tive o sonho de casar. Ainda não definimos a data, mas pode ser ainda em 2016. Os detalhes teremos mais para frente. 

 Você é uma mulher assediada. Imaginamos que faça muito sucesso com os homens. O Radamés é ciumento? 
 Sabe que eu não levo muitas cantadas? E o Radamés é tranquilo. Acho que sou mais ciumenta que ele. Não faz a linha ciumento, não. É maravilhoso. 

 Na peça, você fala sobre o casamento. Como você e o Eduardo Martini, seu colega de elenco, se conheceram?
Fizemos juntos Escolinha do Professor Raimundo, na época em que o programa retomou, no início dos anos 2000. O convite para a peça veio no fim do ano passado. Ele me ligou quando estava na semifinal da Dança dos Famosos do Domingão do Faustão. 

 Uma das cenas que faz o público rir bastante é a da TPM. Você tem TPM, Vivi? 
Não tenho TPM, não... Engraçado. Quer dizer, a gente sempre acha que não tem. Os homens que sofrem (risos). 

 Acompanhando os bastidores antes de subir ao palco, percebemos que é atenta à maquiagem. Considera-se vaidosa? 
Adoro make. Minha maquiagem, no dia a dia, é mais básica. Faço uma pele, coloco rímel, batom... Gosto de maquiagem, não vou negar. Até lancei uma linha de batons e batizei com nomes associados ao samba. 

Toparia mudar o visual por um papel? 
Sim, sim! Ainda não sei como ficará meu visual para a Judite, minha próxima personagem na TV, mas adoro imaginar como será. Por um papel, estou disposta a mudanças. Cortaria o cabelo, ficaria careca... 
 Você retomou seu trabalho nos palcos neste ano e já está com uma novela engatilhada. É possível notar uma evolução? 
 Já tinha feito outras duas peças, mas estava há um tempo afastada dos palcos. Percebo uma evolução, com certeza. A cada trabalho, a cada espetáculo... Teatro é muito bom. Estar no palco é realmente muito bom. Dá um friozinho na barriga, mas depois passa. Se acontecer alguma coisa errada, a gente tem que consertar, improvisar. 

 Durante sua temporada em São Paulo, percebi que você aproveitou o circuito gastronômico. É o tipo de programa que gosta de fazer ou prefere baladas? 
 O que eu mais gosto é aproveitar os momentos. Teve um dia que fizemos uma festa em casa. Isso é que gosto de fazer. Conhecer lugares, ir a restaurantes... Em São Paulo, conheci a Casa da Mãe Joana e o Bar do Nico. Adorei. Não sou da balada. Adoro ficar em casa, reunir amigos em casa. Tinha dias em que ensaiávamos em casa e pedíamos pizza. Sou feliz com isso.

 Você vai viver uma cozinheira na TV. Sabe cozinhar? 
Cozinho, mas, ao contrário da personagem, não sei fazer doces. Eu gosto de doces, mas eu prefiro comida, comida mesmo. Não sou tanto da guloseima. 

 A preocupação com o físico é constante para você? Segue uma dieta ao longo de todo o ano? 
 Cada um tem seu jeito de levar a dieta. Já fui mais marombeira. Ficava naquelas de comer só batata doce na preparação para o Carnaval, por exemplo. Hoje estou mais tranquila com isso. Estou me gostando mais assim do que quando era mais forte. Meus cuidados com o físico se intensificam uns dois meses antes do Carnaval. Para manter a forma, gosto de dançar, fazer lambaeróbica. Não gosto tanto de esteira e bicicleta. E, para mim, o Carnaval não é só avenida. É todo o período de ensaios. Gosto de ser presente. 

 Não é à toa que você é chamada de “rainha das rainhas”. 
É gostoso receber esse carinho do público. Não sei direito quando começaram a me chamar assim, mas minha relação com o Carnaval é verdadeira. Aprendi a sambar olhando, frequentando as quadras. Ficava querendo imitar as passistas.

FONTE/QUEM

Nenhum comentário:

Postar um comentário