segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Sabrina Petraglia:
‘Nunca gravei um vídeo íntimo’
 Sabrina Petraglia, a Shirley de 'Haja coração’, entrou na novela com um papel coadjuvante. 
Mas a trama da deficiente física que se apaixona pelo ricaço Felipe (Marcos Pitombo) e tem seu amor correspondido pegou em cheio os telespectadores. 
Tanto que o casal ganhou o fã-clube ‘Shirlipe’, que mistura os nomes dos personagens. 
Na entrevista a seguir, Sabrina fala do namoro à distância da vida real e diz que não sabe como reagiria se um vídeo íntimo seu vazasse na internet.
 “Sou bem reservada na minha vida e não tenho ideia de como lidaria”, diz. 

Por Leo Dias
Para fazer a Shirlei, você andou de bota ortopédica pela Oscar Freire, em São Paulo. Como foi essa experiência? 
Levantei alguns possíveis movimentos em sala de ensaio, descobri alguns jeitos de mancar e, depois de ter falado com muitas meninas com o mesmo problema da Shirlei, decidi usar e mandei fazer uma bota ortopédica. Feito isso saí por São Paulo mancando de botinha e tudo. Fiquei por quatro horas andando pra lá e pra cá na Oscar Freire pra viver na pele o que essas meninas vivem. Os olhares, os comentários dos outros e o que tudo isso me causava dentro. No começo, minha vontade era de contar pra todo mundo que aquilo era uma brincadeira, que eu era atriz e não mancava de verdade. Sim… a diferença me incomodou. Respirei. Passou! Depois, minha vontade era que as pessoas não me vissem, me senti acuada… queria ficar invisível. Passou. Daí me deu raiva e comecei a encarar quem me olhava diferente. Chorei de raiva. Passou… até que aceitei. Aceitei tanto a minha nova condição como Shirlei quanto o impulso das pessoas de reparar na diferença motora que apresentava. Transitei, provei esses diferentes impulsos e sentimentos por ser ‘diferente’. Nasceu ali o coração da minha Shirlei.

 Você esperava que Shirlei e Felipe (Marcos Pitombo) fossem ganhar uma fã-clube, os Shirlipe?
 Não. Não esperava toda essa repercussão. Entrei nessa novela sem expectativa alguma e me surpreendi. Uma delícia isso. Adoro nossos ‘Shirlipeiros’. Eles vibram e motivam a gente a todo momento.

 Por que você largou o jornalismo? 
Precisava subir no palco. Podia virar uma crítica de teatro infeliz e frustrada se continuasse no jornalismo. Tentei não ser atriz, mas foi mais forte do que eu. Não deu. Fui escolhida por essa profissão. Vocação… Chamado mesmo. Não sei fazer outra coisa… Essa é a verdade. Mas trabalhei sete anos na área… Em rádios, jornais, cobri política, esporte, cultura… Eu amava também. 

Você tem se destacado na trama de ‘Haja Coração’, mas ainda assim a Shirlei é coadjuvante. Sonha com o papel de protagonista? 
Sou artista. Uma atriz que quer viver desse trabalho pra vida toda. Tenho consciência da importância do meu ofício antes de qualquer vaidade. Por isso, quero bons papéis. Já vi coadjuvantes bem mais interessantes que a própria protagonista. Quero mesmo é me lançar em muitos universos ainda nas diversas dramaturgias que possam aparecer no meu caminho. 

 Você namora à distância o paulista Ramón Velazques, que mora no Chile. Há quanto tempo vocês namoram? Como funciona um relacionamento à distância?
 São quase cinco anos de relacionamento. Hoje, com a novela, nos encontramos mais ou menos a cada 15 dias. Ficamos na ponte aérea. Só dá certo porque a gente se gosta muito, somos parceiros e nos respeitamos demais. Mas não foi sempre assim nessa distância. Já fiquei um período com ele no Chile. Estudei lá com uma companhia de teatro francesa chamada Pantheatre e fiquei em cartaz com uma peça em Santiago. Foi uma boa experiência. Seu namorado não é ator. 

Ele sente ciúme de você em cena?
 Não. Ele admira meu trabalho, confia em mim e é super seguro de si. 

 Vocês já gravaram a primeira noite de Shirlei e Felipe?
 Ainda não gravamos. Acho que vamos gravar essa semana. Mas são sempre mágicos esses momentos de descoberta da Shirlei. Só posso dizer que vai ser lindo. 

 Você fez a Itália em ‘Alto Astral’. Em um determinado momento, por causa de uma armação da ex-amante do namorado dela, um vídeo íntimo do casal caiu na internet. Ela se fechou um tempo em casa, reclusa. O que você faria se um vídeo íntimo seu vazasse nas redes sociais? Qual seria a sua reação? 
Nunca gravei um vídeo íntimo. Não sei qual seria a minha reação. Sou bem reservada na minha vida mas não tenho ideia de como lidaria. E nem quero imaginar (risos) … 

 Ficar sempre mancando em cena não te causou nenhum problema físico? 
Até o momento não (risos). Tenho uma boa consciência corporal, tenho convivência do movimento que faço, alongo bastante durante as gravações, faço massagens para descansar a musculatura e para aliviar o cansaço dos joelhos depois de um dia de gravação. Ainda recorro à fisioterapia. Acho que com esses cuidados não vai ter erro. Estou bem assessorada. 

 Como é a abordagem das pessoas nas ruas? 
Elas são só sorrisos comigo. As pessoas me olham, desabrocham nos mais diversos sorrisos e comentários. Tenho vários sorrisos registrados na memória. Estou surpresa e muito feliz de poder tocar as pessoas com essa história linda, sincera, sem preconceitos da Shirlei e do Felipe. E também festejo em poder mostrar a todo mundo que, apesar de suas dificuldades, é uma pessoa como qualquer outra, que merece viver plenamente.

 Você tem recebido muitas cartas de deficientes por conta da Shirlei? O que elas dizem?
 Muitas!!! Me emociono demais com cada uma delas. Leio tudo e respondo sempre que posso. Fico feliz por ser um pouquinho porta voz dessa questão. Muito se fala do preconceito racial, sexual, mas do preconceito contra o deficiente físico pouco se comenta. Tenho até dificuldade de falar disso fora da novela. As pessoas gostam de falar do romance da Cinderella, sempre sublinham isso nas entrevistas… da deficiência falam muito pouco. Sou super a favor das ciclovias em São Paulo, por exemplo, mas se antes se preocupassem em melhorar as condições das calçadas a gente veria mais cadeirantes nas ruas. Eles teriam uma outra qualidade de vida e ninguém pensa nisso. Enfim… Todo mundo tem uma deficiência… Ela não precisa ser necessariamente física… Muita gente me escreve contando algo, se sentindo representado de alguma forma, por isso acho que a Shirlei causa uma forte empatia com o público.

 É verdade que, quando não está gravando você dá expediente em uma lanchonete no centro de São Paulo? 
Meu pai realmente tem uma lanchonete em São Paulo. Eu sou muito ligada a ele e à minha mãe… Ainda mais morando no Rio por causa do trabalho.Quando volto por ninho quero passar o dia com eles o máximo que puder e, como eles trabalham, eu acabo ajudando na lanchonete. 

 Sua família é de São Paulo. Você nasceu lá e atualmente mora no Rio. Qual você prefere? 
São cidades bem diferentes. Gosto das duas. O Rio me coloca em contato com uma exuberante natureza, uma energia quente, pra fora. Amo a boemia descontraída carioca. Já em São Paulo, gosto da riqueza cultural, da mistura de gente de todo tipo, da gastronomia. São complementares. 

 Dá para fazer amigos no Projac? Quem faz parte da sua ‘turma’? 
Claro que dá. Marisa Orth, Leo Pacheco, Monica Iozzi, Nathalia Dill, Nando Rodrigues, Sérgio Guizé, Savalla… São alguns amigos que conheci na Globo e que considero família. Só a gente sabe o que a gente passa fazendo novela. E é maravilhoso compartilhar, rir, chorar junto. Sou de grupo. Fora meus parceiros que estudaram comigo na Escola de Arte Dramática da Universidade de São Paulo que entraram praticamente comigo na TV Globo: Conrado Caputto, Gabriel Godoy, Renata Augusto, Igor Pushinov, Mariana Armellini, João Baldasserini, Johnnas Oliva… Me sinto acolhida. 

 O que você gosta de fazer no tempo livre?
 Ler, ver filmes, cantar, estudar, assistir peças, ir a uma boa exposição… Também amo conhecer restaurantes, receber amigos em casa, andar de bicicleta, cuidar das minhas plantas, estar com meus pais, meu irmão, minha avó, com a família em geral e, claro, sempre na companhia do Ramon.

 Você é consumista? Qual foi a última coisa que comprou e quando? 
Não sei se sou não. Sou de fases talvez. Gosto de gastar meu dinheiro viajando. Uma vez por ano faço uma super viagem. Acabando a novela… vou me dar mais uma de presente! Já já! 

 Como você acha que as pessoas te veem? 
Amiga e persistente… Engraçada talvez… Acho que sou parceira.

 Como você se vê daqui a dez anos? 
Trabalhando muito e realizando sonhos: meus e dos outros. 

 Que recado você deixa para os fãs da Shirlei? 
Sejam vocês, se aceitem como são. É lindo ser diferente e descobrir a diferença do outro. Não tentem entrar no padrão porque a felicidade não depende de padrão.

FONTE/ODIA

Nenhum comentário:

Postar um comentário