quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Lucy Ramos sobre trabalho com o marido:
 "Muito positivo"
Filme 'Fica Mais Escuro Antes do Amanhecer', protagonizado pela atriz e dirigido por Thiago Luciano, será exibido na 40ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo

Por Beatriz Bourroul
Lucy Ramos completou 34 anos na quarta-feira (19) e tem um motivo especial para comemorar. 
Nesta sexta-feira (21), o filme Fica Mais Escuro Antes do Amanhecer, que protagoniza, será exibido na 40ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo.
No longa-metragem, ela contracena com o marido, o ator Thiago Luciano, responsável ainda pelo roteiro e direção. 
"É um texto realmente bom. Fiquei instigada a fazer. Não é um filme comercial, não usamos artifícios mirabolantes nas cenas. 
Todas as pessoas envolvidas trabalham nele pela arte e a história fala de pessoas e perdas", conta a atriz, que interpreta uma mãe que sofre com a perda do filho.
A vontade de ser mãe faz parte dos planos de Lucy. "Eu e o Thiago já iremos completar 10 anos juntos. 
Existe até a cobrança da família. Estou aberta à possibilidade de ser mãe. Quando vier, ficaremos muito felizes", afirma.
O filme Fica Mais Escuro Antes do Amanhecer está na 40ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. Qual a expectativa para a apresentação?
Estamos muito felizes com o filme na Mostra. Ele foi rodado no interior de São Paulo e na Patagônia Argentina. Conciliei as filmagens com as gravações da novela I Love Paraisópolis. É um texto realmente bom. Fiquei instigada a fazer. Não é um filme comercial, não usamos artifícios mirabolantes nas cenas. Todas as pessoas envolvidas trabalham nele pela arte. A história fala de pessoas e perdas.

Como foi trabalhar ao lado do Thiago Luciano, seu marido?
É a primeira vez que eu e o Thiago trabalhamos juntos em cena. Ele tem uma produtora em São Paulo e já ajudava com trabalhos por trás das câmeras. Neste filme, ele escreveu, produziu, dirigiu e atuou. Eu, além de atuar, também participei da produção. Quando ele estava no set, eu ficava supervisionando, cuidei do catering. Se precisava ir ao mercado, eu ia. Antes do filme, fiz um curso de assistente de direção. Estar ao lado do Thiago é muito positivo. Se o texto não fosse bom, ficaria apenas nos bastidores.

E o que tira desta experiência por trás das câmeras?
 É muito legal. E a gente dá mais valor a cada função. Sempre valorizei estes profissionais. Hoje, olho para cada um no set e nos bastidores e entendo a importância do trabalho de todos. Se vou para um estúdio fazer fotos, fico preocupada com questões de horário, atrasos. Entendo mais da questão de orçamento. Sou mais compreensiva. Com atrasos, entro na pilha com a produção porque sei como funciona.

Que tipo de perda?
Minha personagem, Lara, sofre com a perda do filho e entra em depressão profunda. O Thiago vive o personagem Irã. Ele é psiquiatra e acha que pode curá-la, mas ele também está em processo depressivo. Contracenamos ainda com o Caco Ciocler. Ele se entregou de corpo e alma ao projeto, ficou careca para rodar o longa.

Você ainda não é mãe. Como foi a composição da personagem que perde o filho?
Ainda não tenho filhos. Fui muito para internet. Quis entender como é uma mãe convivendo com a dor da perda de um filho. Vi depoimentos, li psicólogos, quis saber o que é a depressão nestes casos. Na vida da Lara, tudo faz com ela lembre do filho. Roupa, cheiro, conversas... Quis entender o que passa no coração de uma mulher com essa dor.

Ser mãe faz parte dos seus planos?
Faz, mas estou deixando acontecer. Eu e o Thiago já iremos completar 10 anos juntos. Existe até a cobrança da família. Estou aberta à possibilidade de ser mãe. Quando vier, ficaremos muito felizes.
Lucy Ramos em cena de 'Fica Mais Escuro Antes do Amanhecer', filme da 40ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo

Vocês rodaram cenas na Argentina. Como foi? Teve muita diferença por estar fora do país?
Não teve tanta diferença porque a equipe era toda daqui. Contamos apenas com um sonoplasta de lá. Ele foi um anjinho que caiu do céu. Chegamos a buscar locações no Brasil, mas a Argentina funcionou do jeito que desejávamos. Rodamos no chalé, em externas... Espero que as pessoas gostem do eu vai ser apresentado. Não é um filme comum. Cada pessoa que assistir terá uma interpretação. O Thiago abusou e ousou. O filme estreia em circuito no ano que vem.

Você falou sobre a mudança do visual do Caco Ciocler. E você toparia mudar?
Muito, muito mesmo. Estou muito afim de viver a arte. A arte tem desprendimento. Se tiver que ficar careca, se tiver que engordar... Fico tão feliz ao exercer e fazer o que gosto. Confesso que já tive esse receio. Comecei como modelo e era uma profissão em que o visual contava muito. Como atriz, acho que a Malena, minha personagem em Liberdade Liberdade, foi a que me permitiu sair um pouco da zona de conforto com o visual. Escondi a minha identidade – os cachos. Não tinha maquiagem, tinha suor. O figurino era com roupas que não evidenciavam a silhueta.

 Você enxerga as mudanças de maneira positiva?
 Sim. Quero que as pessoas que me vejam como atriz cada vez mais. Posso estar linda nos eventos, mas estou pronta para me desconstruir para um papel. Como atriz, a graça da atuação é embarcar em lugares desconhecidos. É bom estar em desconstrução.

FONTE/QUEM

Nenhum comentário:

Postar um comentário