sexta-feira, 11 de novembro de 2016

 Thiago Lacerda sobre casamento:
 "Ser feliz é uma conquista diária"
 Thiago Lacerda responde 10 perguntas dos leitores de QUEM 

 Por Filipe Isensee 
 Intérprete do vilão Ciro de A Lei do Amor, Thiago Lacerda olha as muitas faces de sua vida – do casamento ao trabalho – munido de interrogações e repensando certezas. 
Sobre o relacionamento de 15 anos com a atriz Vanessa Lóes - com quem tem Gael, 9 anos, Cora, 6, e Pilar, 2 -, o ator evita ideias puramente românticas e as substitui pela honestidade: “Ser feliz é uma conquista diária”. 
 Ao responder aos leitores de QUEM durante conversa com o repórter Filipe Isensee, Thiago, aos 38 anos, também conta que já sofreu preconceito por ser bonito:
 “Estamos no Brasil, somos uma sociedade preconceituosa, canalha, covarde”.
 1 - Qual sua principal lembrança de infância?
Ana Paula Barbosa, por e-mail
 Meus dias em Recreio (MG), cidade da minha família. Eu andava descalço soltando pipa, jogando bola, memória de infância afetiva. Também lembro do meu dia a dia no Rio: tinha muita natação, competição, treino, escola.

 2 - Considera-se bom pai? 
Laís Lisboa, por e-mail 
Sou pai em processo de aprendizado. É angustiante, já que tenho medo de errar na educação deles. Mas me acho bom principalmente porque sou inseguro em relação a essa afirmação. É uma forma de me manter atento. 

 3 - Foi difícil escolher os nomes dos filhos? 
Karolynne Silva, por e-mail
 O Gael ficou uns 13 dias sem nome. Não gostávamos de nenhum. A Cora ficou 19. Estávamos em dúvida entre vários. Paguei multa para registrá-la porque demorei muito (risos). Pilar foi a única que nasceu com nome definido. 

 4 - Já passou por crises no casamento?
 Janete Lima, por e-mail 
Passamos por muitas. Me interesso em desmistificar ideias estúpidas sobre casamento. Cada um tem a sua história, ser feliz é uma conquista diária. O fato é que somos felizes. Temos planos e uma parceria muito legal.
 5 - Sofreu preconceito por ser considerado bonito? 
Violeta de Paula, por e-mail
 Estamos no Brasil, somos uma sociedade preconceituosa, canalha e covarde. Sofri, mas nunca me incomodei. A gente precisa lutar contra o preconceito. E uma forma de fazer isso é ignorar e passar por cima.

 6 - Como reage a cantadas de fãs? 
Louise Perrotta, por e-mail
 Coloco respeito, mas rio quando escuto algo engraçado, me envaideço. Pouca coisa me constrange, independente de ser homem ou mulher me cantando. Falo por mim e pela Vanessa: morremos de rir dessas situações. 

 7 - Você já esteve mais gordinho. É difícil emagrecer?
 Kate Resende, por e-mail 
Emagreci com esporte: corro, pedalo, jogo vôlei.... Mas engordei um pouco quando, há um mês, machuquei meu joelho brincando com meus filhos. Logo faço 40, preciso cuidar de mim. 

 8 - Qual hábito você tem e ninguém imagina? 
Maria José Costa, por e-mail 
Fumo charuto há quase 12 anos. Na adolescência, tentei o cigarro, mas nunca consegui. Um dia descobri o charuto. É, mal comparando, como tomar vinho, um hábito de convergência humana, um momento coletivo.

 9 - Como é sua relação com a fé? 
Paulo Fernando Horta, por e-mail 
Fui criado no catolicismo, mas para me conectar com Deus passo pelo budismo, hinduísmo, islã, cabala, espiritismo... Também me ligo a raízes africanas, sou filho de Xangô. Tenho prazer em investigar todos esses caminhos.

 10 - Qual a importância do teatro na sua formação?
 Claude Gaspar, por e-mail 
Não tenho formação e por isso faço teatro. Descobri que, para aprender a atuar, precisava ir para o teatro. Essa escolha tem papel fundamental no ator que sou hoje. Tenho isso como necessidade técnica e, claro, como prazer.

FONTE/QUEM

Nenhum comentário:

Postar um comentário