sexta-feira, 11 de novembro de 2016

 Grazi Massafera sobre filha: 
"Espero que ela não seja tão dramática quanto eu"
 De namorado novo, a atriz vibra com as conquistas e conta qual foi a mais avassaladora mudança em sua trajetória 

 Por Valmir Moratelli 
 Poucos sabem tão bem quanto Grazi Massafera a importância de não ter medo de mudar. 
Ela já foi Miss Paraná, participou do Big Brother Brasil, estrelou novelas, foi rainha de bateria. 
Mas sua maior metamorfose, ela diz, aconteceu há quatro anos, quando deu à luz Sofia: “Fiquei mais evoluída”. 
A atriz de 34 anos, estrela de A Lei do Amor como a divertida Luciane e indicada ao Emmy Internacional por sua Larissa de Verdades Secretas (2015), faz um balanço de sua vida.
 “Sofri todo tipo de preconceito”, revela. 
 Mudanças 
“Ninguém passa pela vida da gente em vão. E uma das coisas mais bacanas que aconteceram comigo foi a Sofia. 
As transformações na minha carreira são para ela, é como deixar um legado, sabe?
 A maternidade é a maior transformação pela qual já passei na vida. Foi um sonho meu desde muito nova. Me transformou em todos os sentidos. 
Falando assim até pode parecer banal, mas mexe com a natureza, com os valores, com as prioridades. Fiquei mais evoluída, é uma mudança avassaladora. São novos sentidos de vida.
 Não vivo mais para mim ou para minha família, vivo para ela! É uma transformação humana. Só vivendo para saber.” 

 Estrutura
 “Respeito também a mulher que não quer passar por essa transformação, e que busca outras formas de transformação. 
No meu caso, sempre quis isso. Era um desejo particular. E antes disso acontecer, eu precisava conquistar independência financeira. 
Até porque já tinha acompanhado a história da minha mãe, com dificuldade de cuidar da gente, sabia como era difícil ter uma família.” 
 Preconceito
 “Já sofri todo tipo de preconceito: por ser loura, por ser miss, por ser bonita. O brasileiro é muito preconceituoso. Seja contra negro, contra gay, contra quem tem opinião... 
A pessoa não pode nem mais ter opinião que é agredida... No começo da carreira sofri preconceito porque não era atriz e já era famosa, ex-BBB (ela participou da 5ª edição do reality, em 2005)... 
Aí falam de tudo. Você tem sotaque (ela é de Jacarezinho, PR), é caipira, é burra...” 

 Conselho
 “Acho arrogante dar conselhos para alguém (que sofreu preconceito), até porque me acho nova, mas precisamos sempre buscar equilíbrio na vida. 
Priorizar e proteger a própria essência. Se for para mudar, que mude com consciência de seus valores. Foi o que eu fiz.”

 Sofia 
“Minha filha (com Cauã Reymond) me transforma em tudo. Ela tem poder de transformar o ambiente, é meu anjo da guarda.
 O mundo vai deixando a vida tão cascuda... Mas é importante a gente preservar um pouco de ingenuidade. E a criança vem para nos lembrar disso. 
Sofia me deixa com mais leveza. Assisto pelos olhos dela à descoberta do mundo diariamente.
 Isso é transformação. Fui pela primeira vez à Disney com ela (em novembro de 2015). Foi incrível! Eu não precisava olhar para nenhum lugar, só admirar os olhos dela.
 O jeitinho da Sofia olhar para as coisas mexe demais comigo. Ainda é um pouco confuso na cabecinha dela essa coisa de ter a mãe famosa. Só com um pouco mais de tempo ela vai entender.”

 Dramática
 “Queria que a Sofia herdasse de mim o humor para lidar com os momentos bons e difíceis da vida. Isso deixa a vida mais leve. 
E espero que ela não seja tão dramática quanto eu (risos). Sou muito dramática, canceriana. Se estou cansada, estou muito cansada! Se tenho texto, tenho muito texto!
 Se me manda limpar o chão, vou querer limpar esse chão bem limpo... Sou dessas. Dou o melhor de mim.” Eu sonho sempre. Sonhar faz bem, sonhar otimiza, e é de graça". 

 Unhas Postiças
 “Coloco a vaidade em prol da personagem. Não teria como fazer a Larissa (uma ex-modelo viciada em crack) se fosse muito vaidosa. 
Ela foi interessante, não só por me fazer despir da vaidade, mas pela história social que carregava. Em nenhum momento me questionei sobre isso. 
Para fazer agora a Luciane (ex-garota de programa que sonha em ser primeira dama da cidade), que é extremamente vaidosa, coloquei unha postiça, salto... 
Coisas do dia a dia. Me doo nas gravações. Mas em casa sou tranquila. Não gosto de cuidar o tempo todo do meu cabelo, por exemplo. Não uso maquiagem quando não gravo.
 Fico mais relaxada, não é minha preocupação. Sou feminina, só que busco equilíbrio.” 
 Amor
 “Pela primeira vez estou namorando alguém (Patrick Bulus, de 27 anos, advogado) que não é do meio artístico. 
Estamos juntos, quero que ele tenha um pouquinho de privacidade, preciso proporcionar isso a ele. Patrick é uma pessoa muito especial para mim. 
Estamos juntos há quatro meses, nos conhecemos através do nosso amigo em comum, o personal trainer Chico Salgado.” 

 Emmy 
“Me surpreendeu. A Larissa acabou me trazendo coisas tão bonitas... Fui entregue a uma equipe por quem tinha um grande carinho.
 Não me cobrava tanto como falavam. Não passei fome, não. Isso era mentira. Dramatizaram mais que eu. 
A verdade é que só por parar de malhar já perco quatro quilos. O pior foi ficar sem tomar sol (risos). 
Fiquei livre de maquiagem... O peso ali era a mensagem do trabalho social.”

 Comemorando
 “Patrick estava na minha casa comigo. Ele falou: ‘Você foi indicada ao Emmy’. Eu disse: ‘Nossa, que legal’. Ao longo do dia é que a gente foi tendo a proporção de que aquilo era muito especial. 
De noite, depois da gravação, a gente comemorou muito, com um jantar especial, vinho... 
Ali eu já tinha entendido que o Emmy já tinha chegado para mim! Minha mãe (Cleuza Soares), que nem é chegada a essas coisas, viu no Jornal Nacional os indicados e me ligou para avisar do meu nome. Achei bacana a repercussão. 
Eu sonho sempre. Sonhar faz bem, sonhar otimiza, e é de graça. Sou sonhadora.” 

 Relação com Cauã
 “A gente (eles ficaram juntos por seis anos, até 2013) tem uma convivência de muito respeito um pelo outro e carinho por esse ser que colocou no mundo. 
Nossa relação é de troca, de parceria entre maternidade e paternidade.”

 Inspiração 
“A novela (A Lei do Amor) e a Luciane são obras fictícias, sou apenas uma intérprete. Não achei uma só pessoa para me inspirar.
 Sou observadora nas ruas, no instagram, na internet. Ela foi sendo construída nas minhas observações junto à direção e ao texto que recebo.” 

 Ídolos
 “Sou uma mulher de sorte, aprendo e estou diariamente com Tarcísio Meira pela segunda vez (seu primeiro trabalho na TV também foi com ele, em Páginas da Vida, 2006). 
Já trabalhei com Marieta Severo, Lima Duarte, Walderez de Barros... São meus professores... Vera Holtz é um exemplo. 
Ela tem sotaque como eu (risos), e isso nunca ficou marcado na sua carreira. E conduz o set de forma tão forte. É lindo vê-la atuar.”

FONTE/QUEM

Nenhum comentário:

Postar um comentário