domingo, 13 de novembro de 2016

Revelação em Malhação, Eli Ferreira lembra :
 "Já fui miss"
Atriz fala sobre participação em trama teen e sonhos profissionais: “Adoraria fazer uma vilã”

Por Beatriz Bourroul
Eli Ferreira, 25 anos, comemora a participação em Malhação. A atriz foi selecionada para gravar cenas decisivas como Carmen, mãe da mocinha Joana (Aline Dias), em cenas de flashback, para que o mistério sobre a paternidade da jovem fosse revelado.
Em conversa com QUEM, ela contou que o desejo de investir na carreira artística veio ainda na infância, quando sonhava ser bailarina clássica, mas acabou iniciando a vida profissional por meio de campanhas publicitárias. 
“Com 17 anos, fiz meu primeiro trabalho como modelo. Aos 19 anos, fui miss. Conquistei o título de Miss Belfort Roxo em 2010 e fiquei em terceiro lugar no estadual do Rio de Janeiro”, diz Eli, que já atuou na série Sexo e as Nega (2014) e nas novelas Boogie Oogie (2014), Império (2014) e I Love Paraisópolis (2015).
Como veio a chance de participar de Malhação?
 Estava morando em São Paulo e, em agosto, a produtora de elenco Dani Pereira me ligou convidando para fazer um teste para uma participação em Malhação. Achei estranho porque nunca tinha ouvido falar em teste para participação. Coincidentemente, naquela semana viajaria para o Rio. Consegui fazer o teste e fui aprovada.

Sua personagem é mostrada por meio de flashbackks e foi fundamental para decifrar o mistério em torno do pai da protagonista Joana (Aline Dias).
 Sim. Participei de cenas muito importantes. Existia a dúvida entre o pai ser o personagem do Thiago Fragoso ou o do Marcos Pasquim. As cenas que gravei ajudaram a contar essa parte fundamental para o desenrolar da história.

 Entrar em uma trama já em andamento é complicado?
É um pouquinho difícil [entrar no meio]. O telespectador não pode se sentir perdido, mas a preparadora de elenco me ajudou bastante.
Conversando com você, percebo que seu sotaque é bem neutro. Você se preocupa em deixá-lo assim neutralizado?
 Sou de Nova Iguaçu, cidade da Baixada Fluminense, e não tenho sotaque mesmo. Pelo menos, eu acho que não tenho muito sotaque. O carioca da gema tem uma fala mais arrastada que nós da Baixada.

Quando decidiu seguir a carreira artística?
Quando era criança queria ser bailarina clássica. Era muito magra. Mais tarde, com 17 anos, fiz meu primeiro trabalho como modelo. Já fui miss quando tinha 19 anos. Conquistei o título de Miss Belfort Roxo em 2010 e fiquei em terceiro lugar no concurso estadual do Rio de Janeiro.

Com o fim da sua participação em Malhação, já tem novos projetos encaminhados?
Pretendia voltar para São Paulo em 2017, mas agora depende da questão do que vem por aí. Vou deixar rolar e me dedicar para que novas oportunidades de trabalho aconteçam em breve.

Tem algum papel dos sonhos?
Nunca parei para pensar em um papel dos sonhos. Eu adoraria fazer uma vilã. Dramaturgicamente, admiro a composição das vilãs. Existem vilãs de várias linhas – as sarcásticas, as cruéis, as debochadas... Se bem que de uns tempos pra cá, as mocinhas andam com uma nova postura, estão mais combativas. Mesmo assim, as vilãs me atraem mais.

FONTE/QUEM

Nenhum comentário:

Postar um comentário