quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Thaís Pacholek e o cantor Bruno Belutti apresentam o primeiro filho, Luis Miguel
O casal fala sobre as mudanças após a chegada do menino e revela planos de ter mais dois filhos

Por Marina Silva
Talvez ele ainda não entenda muito bem, mas a pouca idade não impediu que Luis Miguel participasse desta entrevista para a CONTIGO!. 
Aos 6 meses, e xodó dos pais, Thaís Pacholek, 32 anos, e Bruno Belutti, 35, o pequeno era só sorrisos e até tentava balbuciar algumas palavras ao mesmo tempo em que se deliciava com pedacinhos de pera. 
Ele gosta muito de conversar e é sempre sorridente. Dá risada de qualquer coisa! Também é agitadinho, não para quieto, não gosta de colo. 
Mas, no geral, é tranquilo e não chora por qualquer coisa. Eu e o Bruno o consideramos um bebê bonzinho, mas espoleta!”, diverte-se a atriz.
O nome do pequeno é uma homenagem ao avô dela, falecido em 1996. “Queria só Miguel, mas uma prima colocou antes no filho dela. Então, pensamos em juntar o nome do meu avô com o do meu ídolo, o cantor Luis Miguel”, explica ela. 
Casados há dois anos, a gravidez já estava nos planos do par e aconteceu no momento certo.
“Já pedia um filho há muito tempo, mas a Thaís preferiu fazer as coisas mais certinhas. Primeiro, casamos. 
Depois, ela terminou de gravar Chiquititas (SBT) e no tempo certo o bebê veio. Sabíamos que uma coisa não podia atrapalhar a outra, e filho tem que ser uma bênção. 
Deus ouviu meu pedido, mandou o Luis Miguel e nós estamos muito felizes”, confessa o papai. 
No início de outubro, a atriz e o sertanejo reuniram a família e o casal de amigos Marcos, 33, parceiro musical de Belutti, e Lu Marchioto, 32, no batizado do herdeiro. 
A celebração foi íntima. Estavam presentes apenas os avós maternos, Maria Inês, 59, e Rubens Pacholek, 59, os padrinhos, Leonardo, 34, e Talita Pacholek, 32, e os padrinhos de consagração, Janaina Belutti, 28, e Celso Menezes, 28. “Foi algo singelo, bem nosso”, relembra Thaís. 
Nova rotina
A chegada de Luis Miguel mudou radicalmente os hábitos do casal, que, apesar de contar com ajuda de uma babá e da família, principalmente da mãe da atriz, se adaptou às necessidades do filho. “Deixamos de fazer algumas coisas. Hoje em dia, a gente não vai mais ao cinema, por exemplo. 
Aliás, realizar programas de casal está um pouco complicado, pois a babá não fica em tempo integral. Então, ainda estamos bem presos a ele. Sei que é importante ter vida a dois, mas a gente ainda não conseguiu se desvincular totalmente dele. Por enquanto somos só Luis Miguel”, confessa Thaís. Para compensar o tempo “perdido”, o casal pretende voltar a Salvador para o Carnaval. “Estamos pensando em levar a babá para ficar com ele (risos)”, brinca a atriz.

Trabalho em equipe
Por causa da rotina de shows – são, em média, 15 por mês, ao lado do companheiro de dupla, Marcos –, Belutti, que já esteve em 1º lugar nas paradas com a música Domingo de Manhã e ainda é lembrado pelo sucesso Aquele 1%, em parceria com Wesley Safadão, 28, fica pouco tempo em casa. Para matar a saudade, a família abusa da tecnologia. “Quando ele está na estrada, a gente conversa bastante pelo Facetime. A vantagem? Quando ele volta, fica completamente em casa”, conta Thaís.
Entretanto, a distância não impediu Belutti de aprender e se empenhar nos cuidados com o primeiro filho. “Nós somos como uma equipe. Eu ajudo a dar banho, trocar fralda, roupa. Mas a Thaís é uma mãe maravilhosa. Falo isso porque, por causa do trabalho, não sou um pai muito presente. Vejo o quanto ela é empenhada na maternidade. Às vezes, percebo que está cansada e nem assim desgruda dele. Agradeço a 
Deus por ter uma esposa maravilhosa e a melhor mãe do mundo para o meu filho”, derrete-se o sertanejo, que já planeja ver o pequeno nos palcos. “Quero que ele vá ao shows, acompanhe minha rotina e a da mãe também. Sabemos que ele terá uma vida de plateia e camarim. O lado bom: poderá ser amigo do Leo Marcos, filho do Marcos, que com 2 anos já vive essa vida”, explica Belutti.
Para Thaís, o futuro também prepara mudanças. “Meu principal desafio é a junção de todas as minhas funções. Quero criar bem  meu filho, ser uma boa esposa e companheira e me manter na minha profissão. Fazer os três separadamente é tranquilo, mas associá-los fica mais difícil. Eu preciso aprender”, reflete a mamãe de primeira viagem. 


Mais dois filhos
Longe da TV desde 2014, quando gravou Chiquititas, Thaís engravidou e sabia o que viria pela frente. Hoje, seis meses após o nascimento do bebê, ela já se sente pronta para retomar o trabalho. “Fico feliz em voltar a movimentar minha vida profissional”, comemora.
Escalada para o filme Coração de Cowboy, com estreia prevista para o primeiro semestre de 2017, a atriz revela que a proximidade com o ritmo sertanejo contribuiu para a construção da personagem. “A Marcele é uma cantora e compositora caipira que abre mão da carreira para formar uma família. 
Com o passar do tempo, reencontra sua dupla, é incentivada a voltar a cantar e passa por um momento de indecisão”, adianta. “As filmagens serão entre Jaguariúna e Campinas, interior de São Paulo, e o Luis Miguel vai junto. Estou em um ótimo momento da vida. A equipe está consciente de tudo e poderei pedir uma pausa para amamentar. Será gostoso tê-lo comigo”, diz.
Apesar de achar cedo para aumentar a família, Thaís revela que não pretende fechar a fábrica e quer ter, pelo menos, mais duas crianças. “Antes do Luis Miguel, já pensávamos em ter três filhos com pouca diferença de idade entre eles. Como vimos que é puxado, vamos esperar um pouco mais. Mas ainda queremos, pelo menos, mais dois. Pensei em gêmeos, mas depois da minha experiência atual, quero que venham separados mesmo (risos).”

FONTE/CONTIGO

Nenhum comentário:

Postar um comentário