quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

 Tuca Andrada: 
"Cheguei ao Rio com uma mão na frente e outra atrás, não tenho do que reclamar" 
 Intérprete do honesto Misael, de A Lei do Amor, Tuca Andrada afirma que é uma pessoa melhor hoje do que há 35 anos, quando começou sua carreira, e revela ter vontade de adotar uma criança:
“É bacana ter alguém que continue a sua história” 

Por Carla Neves
 Tuca Andrada tem o tempo como aliado.
Aos 52 anos de idade e 35 de carreira, o intérprete do personagem Misael, de A Lei do Amor, considera-se hoje uma pessoa mais evoluída. 
“Fiquei mais solto e relaxado. O tempo me ajudou. Depois dos 50, comecei a pensar:
‘Quantos anos mais tenho pela frente? 30? 40? 50?’. 
Agora aproveito mais a vida, não fico com tanta cobrança em cima de mim”, conta o ator.
Ele revela que se acha, inclusive, mais bonito hoje.
 “Fui um adolescente muito feio!”, entrega, aos risos.
 Natural do Recife, Tuca não se esquece de quando deixou a família para trás e se mudou para o Rio para se dedicar à interpretação. 
“Na década de 1980, era difícil seguir na carreira artística sem morar no Rio.
Então, trabalhei, juntei uma grana e vim: sem conhecer ninguém nem saber nada de nada.
 Não sabia nem andar na cidade”, lembra.
No ar na trama das 9 e se preparando para viajar com o show Orlando Silva – Nada Além, o ator tem orgulho da sua trajetória profissional. 
“Para alguém que chegou ao Rio com uma mão na frente e outra atrás, não tenho do que reclamar.
Sempre tive bons personagens e ainda consigo produzir e dirigir. 
Estou trabalhando esses anos todos e, às vezes, tenho até que recusar convites porque não dá para conciliar todos os trabalhos.
É um balanço muito feliz e positivo”, analisa, sereno. 
 Gentleman A atriz Suely Franco, de 77 anos, que protagonizou o espetáculo Seis Aulas de Dança em Seis Semanas durante quatro anos ao lado de Tuca, é só elogios ao colega de profissão e amigo.
“Não gosto do Tuca. Quando a gente trabalha com ele, o público só olha para ele e se esquece da gente”, brinca, às gargalhadas.
 “Ele é um príncipe, de uma delicadeza enorme!
 E é um ator sensacional. Eu me lembro que, quando a peça terminava, as senhoras mais animadas pediam até para ter aula de dança com ele.
O público delirava, o ‘mulheril’ subia nas tamancas.” 
 Ernesto Piccollo, que dirigiu a dupla no espetáculo, elogia a disponibilidade do ator em cena.
 “Ele é dos grandes, está sempre aberto a experimentar. 
Conheço o Tuca desde 1986, quando ele interpretou Pluft no musical (de mesmo nome), junto comigo.
Estava chegando para conquistar o espaço dele. Esse pessoal de Pernambuco é arretado!” 
Com Giovanna Antonelli: par romântico do mal em Da Cor do Pecado (2004) 
Dançando com Suely Franco na peça Seis Aulas de Dança em Seis Semanas 
Tuca no show Orlando Silva – Nada Além
 Assiduo Morador do Leblon, na Zona Sul do Rio, Tuca vive sozinho.
Mas conta que o assédio do público – masculino e feminino – é grande, principalmente depois que envelheceu.
 “Me assediam muito mais hoje do que antigamente”, afirma.
 No dia a dia, ele mantém uma rotina saudável. 
“Frequento academia e gosto muito de correr na areia fofa da praia, ouvindo música.
Corro do Leblon até o Arpoador”, explica, um percurso de cerca de quatro quilômetros. 
Ultimamente, ele também tem se preocupado com a alimentação e tenta parar de fumar.
 “Estou diminuindo o cigarro e reduzi em 70% meu consumo de carne. Agora como mais peixe e frango. 
Também como muita salada e alimentos ricos em fibras.
 Tenho 52 anos. Preciso ter uma qualidade de vida melhor. Não é só para ficar bonitinho.
 Isso passou para mim. Já estou na prorrogação”, conta, aos risos.
 Futuro Feliz na carreira, Tuca tem um desejo ainda não realizado na vida pessoal. 
“Tenho muita vontade de adotar uma criança.
Nem tenho tanta vontade de ter um filho com meu sangue, isso não me importa. 
Mas é bacana ter alguém que continue a sua história”, diz.
Ele não sabe, contudo, quando vai se tornar pai: “Não tenho prazo para nada. 
Isso me assusta e me preocupa quando penso em adoção.
Fora o custo, que é alto. Tudo isso me faz adiar... Mas, uma hora, vou correr atrás”.
 Arianne Botelho, Marjorie Bernardes, Emanuelle Araújo, Tuca e André Luiz Franbach: família em A Lei do Amor

FONTE/QUEM

Nenhum comentário:

Postar um comentário