segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Thiaguinho:
Nunca mudei minha vida por causa da fama’
 Em entrevista para a coluna, cantor revelou detalhes sobre o novo projeto 'Tardezinha ao Vivo' 

Por Leo Dias 
Thiaguinho acaba de lançar o disco ‘"Tardezinha ao Vivo" que, aliás, está na lista dos álbuns mais vendidos no Brasil na internet.
 Na entrevista a seguir, o cantor conta que a única coisa que deixou de fazer por causa da fama foi a pelada com os amigos durante a semana. 
Mas aí a culpa é da agenda de shows. Thiaguinho, que foi alçado ao sucesso ao participar do reality ‘Fama’, em 2002. 
Hoje, o cantor assume que adora assistir ao "The Voice Kids". 
“Meu Deus! Como me emociono assistindo ao ‘The Voice Kids’... É sensacional!”, elogiou. 

 Como foi montar o repertório com suas músicas favoritas para esse trabalho? 
Trouxe pra esse álbum algumas músicas que realmente toco demais na ‘Tardezinha’! Fico à vontade demais nesse projeto e deixo minhas lembranças rolarem... Como cresci ouvindo essas músicas e outras tantas, foi tranquilo escolher!

 Qual o critério que você usou para escolher os principais hits do pagode dos anos 90? 
 Pensei nas mais conhecidas e marcantes para a galera, principalmente para as pessoas da minha geração! Muita coisa que amo ficou de fora! Penso que nós já estamos com saudade da nossa infância e adolescência em todos os sentidos... Musicalmente, também! Sinto isso na rua, nos comentários das pessoas, na reação das pessoas quando canto essas músicas no show! Provavelmente muitas canções ficaram de fora desse CD. 

Podemos esperar um ‘Tardezinha 2’?
 Ah, podemos! Fiquei muito feliz com o resultado e com a aceitação do álbum! Me fez bem demais! Sou muito fã dessa galera que veio antes de mim e quero mostrar isso para todo mundo! Os anos 90 foram marcados pelo fortalecimento dos grupos de axé e dos grupos de pagode. Ambos perderam a força na virada dos anos 2000. 

Musicalmente, como você vê essa transição dos gêneros? 
 Faço parte da geração 2000, apesar de construir minha carreira dentro de um grupo que vem da geração dos anos 90... Vejo com bons olhos a minha geração... O pagode é do brasileiro, faz parte da nossa cultura! Independente de fase comercial, sempre teremos pessoas afim de ouvir e cantar pagode no Brasil!  

Quem eram os seus ídolos nessa época, anos 90, fora das rodas de samba e pagode?
 Sempre tive como referência os cantores de pagode... Péricles, Alexandre Pires, Belo, Rodriguinho, Salgadinho, Leandro Lehart e muitos outros! Meu sonho era ser o que eles eram! Eles eram meus super-heróis!

 Você acredita que o rompimentos dos grupos de pagode e o início da carreira solo de muitos artistas contribuíram para um novo cenário na música brasileira? 
 Não sei se isso tem a ver com o cenário atual da música, até porque o país é muito grande e temos várias cenas musicais... Tem música boa pra todos os gostos!

 Depois da sua saída do Exaltasamba, você gravou músicas com influências do soul e de algumas batidas norte-americanas. Isso foi uma opção sua ou uma questão mercadológica da gravadora?
 Opção! Desde o Exalta faço isso... Amo ouvir a música negra americana! Aprendi a ouvir com o Péricles e o Rodriguinho! Isso acaba influenciando minha maneira de fazer música... Sou uma mistura de muita coisa que cresci ouvindo... No ano passado, as duplas sertanejas formadas por mulheres ganharam um espaço enorme dentro da música.

 O que você achou desse movimento?
 Louvável! Música boa não tem gênero, sexo, cor... Quem fizer uma música que merece atenção, o povo escolhe! Elas estão de parabéns por tudo o que estão conquistando! Temos várias mulheres de muito sucesso na história da nossa música brasileira. 

 Você acredita que essa onda de sertanejo no estilo ‘sofrência’ seja passageira? 
 Não! Sou do interior (nascido em Presidente Prudente/SP e criado em Ponta Porã/MS) e sei o quanto a música sertaneja faz parte da vida do brasileiro também! Respeito e admiro demais a música sertaneja! Faz parte da história da minha vida também! 

 O que você escuta atualmente? 
 Tudo! Sou viciado em música! Entro em todos os aplicativos de música, fico ligado nas novidades... Amo ouvir música o dia todo! Destaco hoje o Ah!Mr.Dan, que vêm lançando discos ótimos nos últimos anos! 

 Fazendo uma rápida viagem ao início da sua carreira, você — que é produto de um reality show — faria alguma coisa diferente lá atrás na questão da sua formação musical? 
 Não! Meu caminho foi fundamental no meu amadurecimento como artista e como pessoa! Tudo aconteceu de maneira natural, com muito trabalho, com dificuldades, vitórias... Tudo que eu precisava pra crescer! Um degrau de cada vez! 

 Como você vê programas de calouros como por exemplo o "The Voice’" e o "X-Factor"? 
 Acho incrível! O Brasil tem muito talento escondido! É uma ótima oportunidade para os cantores que moram em cidades distantes dos grandes centros, como eu morava. O ‘The Voice Kids’ então... Meu Deus! Como me emociono assistindo ao ‘The Voice Kids’... É sensacional! 

Recentemente houve uma tentativa que não deu muito certo, em reunir sambistas como o Belo, Alexandre Pires e o Luiz Carlos do Raça Negra, no projeto "Gigantes do Samba". Você já foi convidado para algum projeto assim?
 Sim! Fiz parte do ‘A gente faz a festa’, que reunia alguns integrantes que fizeram parte do Exalta. Cantar com o Pericles e o Chrigor juntos foi lindo e emocionante, assim como foi incrível também matar a saudade do Pinha Presidente e do Izaías! Foram shows históricos e inesquecíveis!

 Quais são os pontos positivos e negativos de se lançar um CD com músicas que fizeram sucesso no passado? 
 Só consigo enxergar pontos positivos... Recordar é viver! Acho muito legal mostrar para as pessoas que me acompanham hoje o por que eu sou pagodeiro! E pra quem tem saudade dessas músicas, é uma nova oportunidade de reviver essas canções que fazem parte da nossa história de vida! 

 De que maneira você analisa a atual situação do pagode/samba dentro da música popular brasileira? 
 Faço shows o ano todo por todo o país... Por onde passo, cantando pagode, sou muito bem recebido e vejo amigos também vivendo momentos muito legais! Como disse anteriormente, faz parte da nossa cultura e nunca vai deixar de ter seu espaço! Sua vida particular sempre foi bem reservada. 

Você sente falta de fazer alguma coisa que fazia antes de se tornar famoso? 
Mantenho os mesmos costumes... Talvez jogar futebol semanalmente seja algo que sinto falta, mas falta tempo... De resto, faço tudo! Vou à missa, ao cinema, barzinhos com amigos... Não me privo de nada. 

 Fernanda ajudou na escolha desse repertório? Qual a música que ela mais gosta desse novo CD? 
 Sempre mostro pra ela e para todos do meu convívio as minhas ideias! Ela ama pagode! Sabe tudo! Todas as musicas fizeram parte da vida dela, mas ela é apaixonada por ‘Domingo’! Certeza que é a preferida dela nesse álbum! 

 O que a Fernanda gosta de ouvir quando é você quem canta? 
 Putz! Melhor perguntar pra ela... (risos) Palpite meu: ‘Ainda bem’! É uma canção que fiz pensando em nós e canto todos os dias pensando nela, em qualquer lugar que eu estiver.

 Como você resume o "Tardezinha ao Vivo"? 
Uma ótima trilha sonora pra quem quer um dia feliz!

FONTE/ODIA

Nenhum comentário:

Postar um comentário